22 de Outubro de 2015 / às 17:18 / 2 anos atrás

Após reunião com Netanyahu, Kerry vê possível alívio nas tensões entre israelenses e palestinos

BERLIM (Reuters) - O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, expressou nesta quinta-feira a esperança cautelosa de que pode haver uma maneira de refrear a violência recente entre israelenses e palestinos, que já matou quase 60 pessoas este mês.

Kerry se reúne com Netanyahu em Berlim. 22/10/2015. REUTERS/Carlo Allegri

Falando aos repórteres depois de cerca de quatro horas de conversas com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Kerry disse acreditar que há medidas que podem reduzir a violência e que elas precisam ser discutidas com autoridades jordanianas e palestinas.

“Eu caracterizaria a conversa dizendo que ela me deu uma dose de otimismo cauteloso de que pode haver... uma maneira de desarmar a situação e começar a encontrar um caminho adiante”, afirmou Kerry aos jornalistas depois de se encontrar com Netanyahu em um hotel de Berlim.

“Se as partes quiserem tentar, e acredito que querem, rumar para uma desescalada, há um conjunto de escolhas que estão disponíveis”, disse ele em uma coletiva de imprensa conjunta com o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, sem dar detalhes.

Steinmeier disse que tanto ele quanto Kerry “estão apelando aos dois lados, os palestinos e os israelenses, para que façam tudo para desescalar este conflito”.

Nove israelenses foram mortos por palestinos com facadas, tiros e ataques com veículos desde o início de outubro. Quarenta e nove palestinos, incluindo 25 agressores, entre eles crianças, morreram em ataques e durante protestos anti-Israel.

Entre as causas dos tumultos está a revolta dos palestinos com o que veem como uma presença cada vez mais impositiva dos judeus no complexo de Al-Aqsa, na Cidade Velha de Jerusalém, que é o local mais sagrado do islamismo fora da Arábia Saudita e também é reverenciado pelos judeus como cenário de dois templos bíblicos desaparecidos.

Kerry não mencionou a insinuação feita por Netanyahu nesta semana de que Haj Amin al-Husseini, o grão-mufti de Jerusalém nos anos 1940, persuadiu Adolf Hitler a exterminar os judeus.

Os comentários do premiê, que vieram à tona três semanas após o início dos episódios de violência, atraíram críticas generalizadas de políticos da oposição israelense e de especialistas no Holocausto, que acusaram o líder do Estado judeu de distorcer fatos históricos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below