22 de Outubro de 2015 / às 19:14 / em 2 anos

Governo estima déficit primário em 2015 de R$50 bi, diz ministro da Casa Civil

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, afirmou nesta quinta-feira que o governo estima que fechará o ano com um déficit primário de 50 bilhões de reais, mesmo sem considerar gastos referentes às chamadas “pedaladas fiscais”, em meio a persistente frustração com a arrecadação.

Ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, em evento no Palácio do Planalto 20/07/ 2015. REUTERS/Ueslei Marcelino

Se confirmada a previsão, este será o segundo ano consecutivo que o Brasil fechará as contas no vermelho, já que em 2014 o setor público consolidado registrou déficit primário de 32,5 bilhões de reais, o primeiro em mais de dez anos.

“É em torno de 50 bilhões de reais. Estamos fazendo estimativas, se entrar alguma coisa, ótimo, (o déficit) é menor”, disse o ministro ao final de uma cerimônia no Palácio do Planalto.

Wagner, que faz parte da Junta Orçamentária, disse que a nova estimativa de déficit será encaminhada à Comissão Mista do Orçamento, que está analisando a mudança da meta fiscal do governo anunciada em julho. Na ocasião, o governo reduziu a meta de superávit primário do setor público consolidado a 8,7 bilhões de reais neste ano, ou 0,15 por cento do Produto Interno Bruto(PIB), ante projeção anterior de 66,3 bilhões de reais, ou 1,1 por cento do PIB.

O ministro disse ainda que o resultado estimado pode mudar, pois inclui receitas que ainda não se concretizaram. Ele citou a expectativa de ingresso 11 bilhões de reais com o leilão de concessões de hidrelétricas antigas, marcado para novembro.

”Esse está colocado, mas a gente não sabe se vai se concretizar ou não. Mas na estimativa dos 50 bilhões está colocado. Por isso que estou falando, estamos fazendo estimativas”, disse. De acordo com o ministro, o déficit deve ficar entre 0,7 por cento e 0,8 por cento do PIB, também a depender das receitas que irão ou não se concretizar.

PEDALADAS FISCAIS

A estimativa informada pelo ministro não inclui possíveis gastos para corrigir as chamadas “pedaladas fiscais”, atrasos no repasse a bancos públicos para cobrir gastos com programas sociais e subsídios, considerados irregulares pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Na véspera, uma fonte disse à Reuters que com a inclusão das pedaladas, o déficit pode chegar a 85 bilhões de reais.

“O atraso dos bancos nós vamos resolver, mas não está nisso aqui. Depende de como o TCU vai decidir, se vai permitir parcelamento. Se ele disser que vai ser tudo esse ano nós vamos fazer”, garantiu, mas sem revelar qual seria o impacto. “Depende da forma que vamos fazer. Não tem nada fechado”, disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below