26 de Outubro de 2015 / às 12:35 / 2 anos atrás

Eleição argentina será decidida no 2º turno após arrancada surpreendente de opositor Macri

Candidato conservador de oposição argentina Mauricio Macri em evento em Buenos Aires. 26/10/2015 REUTERS/Agustin Marcarian

BUENOS AIRES (Reuters) - O governista Daniel Scioli disputará a Presidência da Argentina em um segundo turno com o rival Maurício Macri, que, de forma supreendente, chegou perto do favorito nas eleições de domingo e ampliou bastante as chances de uma vitória da oposição na votação decisiva de novembro.

Embora tenha vencido, o peronista Scioli obteve apenas 36,9 por cento dos votos, muito abaixo do que necessitava para evitar o segundo turno e até menos do que conseguiu nas primárias abertas de agosto.

Com mais ímpeto do que o previsto, Macri, prefeito da cidade de Buenos Aires, conquistou 34,2 por cento dos votos. O peronista dissidente Sérgio Massa ficou fora da corrida depois de conseguir 21,3 por cento, com mais de 97 por cento das seções apuradas.

“O que aconteceu no dia de hoje (domingo) muda a política deste país”, disse Macri, líder de centro-direita, diante dos eufóricos seguidores da aliança Mudemos. Milhares de partidários cantavam slogans de Macri presidente. Muitos saltavam com bolas coloridas nas mãos.

Com a Argentina sofrendo com uma economia estancada, uma inflação que supera 20 por cento, parcas reservas internacionais, uma moeda sobrevalorizada, um crescente déficit fiscal e uma insegurança generalizada, o resultado de domingo mostrou que muitos argentinos querem algum grau de mudança.

”Isso não tem nome, esperávamos há tempo, choro e rio ao mesmo tempo”, disse Sandra Lauría, de 48 anos, partidária de Macri, que estava na sede da campanha na noite de domingo.

Outro balde de água fria para o peronismo foi a vitória de María Eugenia Vidal, candidata do partido de Macri, que se tornou a próxima governadora da província de Buenos Aires, um bastião do governismo.

“Os resultados não são os que nós buscávamos. É preciso aceitar essa situação”, disse na manhã de segunda-feira Aníbal Fernández, o candidato governista derrotado por María Eugenia, em declarações a jornalistas. “Tomará que se saia muito vem” acrescentou, referindo-se a María Eugenia.

Mais conciliador do que a presidente Cristina Kirchner, Scioli, um ex-campeão de motonáutica que governa a província de Buenos Aires, propõe ajustar pouco a pouco o modelo de centro-esquerda que governa o país há 12 anos para atrair investimentos, frear os preços e reavivar a economia, muito regulamentada pelo Estado.

“Convoco os indecisos e independentes para esta agenda de grande futuro do desenvolvimento argentino”, disse Scioli em busca de apoio para o segundo turno, qualificando Macri como um homem que muda de políticas e representa “um salto no vazio”.

Scioli, de 58 anos, promete manter os generosos benefícios sociais que ajudaram milhões de argentinos e elevaram a popularidade de Cristina, bem como o controle sobre as empresas estatais.

Macri, por sua vez, é um engenheiro que se propõe a eliminar rapidamente o controle do câmbio, impostos sobre a agropecuária e restrições às exportações da Argentina.

Reportagem adicional de Juliana Castilla, Maximilian Heath, Maximiliano Rizzi e Walter Bianchi

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below