15 de Novembro de 2015 / às 11:35 / 2 anos atrás

França identifica primeiro agressor e jura destruir Estado Islâmico

PARIS (Reuters) - A polícia francesa interrogou neste domingo familiares de um dos agressores suicidas que atacaram Paris na sexta-feira, enquanto a França chamou os ataques como um ato de guerra e prometeu destruir o Estado islâmico na Síria e Iraque.

O promotor de Paris François Molins disse a jornalistas que três células jihadistas organizaram ataques coordenados em bares, uma sala de concertos e estádio de futebol matando 129 pessoas e ferindo 352, incluindo 99 que estavam em estado grave.

Museus e teatros permaneceram fechados em Paris pelo um segundo dia no domingo, com centenas de soldados e policiais patrulhando as ruas e estações de metrô depois que o presidente francês, François Hollande, declarou estado de emergência.

Sete homens armados, todos eles estavam vestindo coletes cheios de explosivos, morreram nos vários assaltos. O primeiro a ser identificado foi Ismael Omar Mostefai, de 29 anos, que vivia na cidade de Chartres, a sudoeste de Paris.

A imprensa francesa disse que ele nasceu na França e tinha ascendência argelina. Molins disse que o homem tinha um arquivo de segurança para a radicalização islamista, acrescentando que ele tinha uma ficha criminal, mas nunca tinha passado algum tempo na cadeia.

Uma fonte da Justiça disse que o pai e o irmão de Mostefai tinham sido levados para interrogatório, juntamente com outras pessoas que se acredita serem próximas dele.

Outra fonte disse que a polícia tinha encontrado um carro em um subúrbio a leste de Paris que se acreditava ter sido usado no assalto, sugerindo que pelo menos um dos atacantes haviam escapado.

Os promotores disseram que o ataque - reivindicado pelo Estado Islâmico como vingança pela ação militar francesa na Síria e no Iraque - parecia envolver uma equipe multinacional com conexões no Oriente Médio, Bélgica e Alemanha, possivelmente, bem como raízes francesas.

Autoridades gregas afirmaram que um, talvez, dois dos assaltantes tenham passado através da Grécia em outubro da Turquia ao lado de refugiados sírios que fogem da violência em sua terra natal.

“Estamos em guerra. Fomos atingidos por um ato de guerra, organizado metodicamente por um exército terrorista, jihadista”, afirmou o primeiro-ministro Manuel Valls à televisão TF1 na noite de sábado.

“Porque estamos em guerra tomaremos medidas excepcionais. Vamos agir e vamos atingi-los. Vamos bater esse inimigo para destruí-lo, obviamente, na França e na Europa ... mas também na Síria e no Iraque”, disse ele. “Nós ganharemos.”

A França foi o primeiro país europeu a aderir aos ataques aéreos dos Estados Unidos contra alvos do Estado Islâmico no Iraque em setembro de 2014, enquanto que um ano mais tarde, estendeu seus ataques aéreos para a Síria.

Ele já tinha programado para enviar um porta-aviões para a região no final deste mês.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below