19 de Novembro de 2015 / às 11:31 / 2 anos atrás

Solução para governo na Síria é essencial para eliminar Estado Islâmico, diz Obama

Presidente dos EUA, Barack Obama, em Manila. 19/11/2015 REUTERS/Jonathan Ernst

MANILA (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse nesta quinta-feira que pode levar alguns meses para que Rússia, Irã e a elite governista da Síria aceitarem que não pode haver fim à guerra civil na Síria ou um acordo político enquanto o presidente Bashar al-Assad continuar no poder.

Obama disse que a Rússia e o Irã reconheceram o Estado Islâmico como uma “séria ameaça”, mas os esforços russos na Síria têm como objetivo manter Assad no poder.

“O ponto principal é que não prevejo uma situação em que possamos acabar com a guerra civil na Síria enquanto Assad continuar no poder”, disse ele a repórteres em Manila, à margem da cúpula anual da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec).

“O que estamos fazendo com os membros da nossa coalizão é reconhecer que pode levar alguns meses para os russos e os iranianos e, francamente, alguns membros do governo sírio e das elites dominantes dentro do regime, reconhecerem as verdades que acabei de expressar.”

A Rússia iniciou os ataques aéreos na Síria no final de setembro e sempre disse que seu principal alvo eram os militantes do Estado Islâmico, mas a maioria de suas bombas foram lançadas no território sob controle de outros grupos que se opõem a Assad, seu aliado.

O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelos ataques de homens-bomba e atiradores em Paris, na semana passada, e pela explosão de um avião russo sobre o Egito, em outubro.

Para Obama, se todas as partes puderem conversar sobre o assunto, isso poderia criar espaço para um virada na situação.

O presidente dos EUA também afirmou que poderia fechar a prisão de Guantánamo, em Cuba, e os norte-americanos continuariam seguros, mas reconheceu que enfrentaria forte resistência do Congresso.

“Garanto que haverá forte resistência porque, após o ocorrido em Paris, acho que há uma tendência muito forte para nós agirmos em questões que na realidade não nos tornam mais seguros, mas produzem boas frases de efeito, como é o caso dos refugiados ou Guantánamo”, disse ele.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below