19 de Janeiro de 2016 / às 18:03 / 2 anos atrás

Estado Islâmico tem cerca de 3.500 escravos no Iraque, diz ONU

GENEBRA (Reuters) - Cerca de 3.500 pessoas, principalmente mulheres e crianças, são mantidas como escravas no Iraque por militantes do Estado Islâmico, disse a Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira.

Homem com bandeira do Estado Islâmico visto na Síria. 29/06/2014 REUTERS/Stringer

O grupo islâmico, que também controla grande parte da Síria, é responsável por atos que possam “constituir crimes de guerra, crimes contra a humanidade e possivelmente genocídio”, particularmente contra as minorias, diz um relatório.

Forças de segurança iraquianas e grupos aliados, incluindo os combatentes curdos Peshmerga, também sequestraram e mataram civis, diz o documento. “Alguns desses incidentes podem ter sido represálias por apoiar ou associação ao ISIL (Estado Islâmico)”, acrescenta.

Cerca de 18.802 civis foram mortos devido a atos de violência no Iraque de janeiro de 2014 a outubro de 2015, metade deles em Bagdá, e 36.245 civis foram feridos, segundo o relatório, que diz que os números são “obscenos”.

A Missão da ONU de Assistência ao Iraque e o escritório da ONU de direitos humanos estimam que 3.500 pessoas são “mantidas atualmente como escravos” pelo Estado Islâmico, que tomou as áreas povoadas principalmente por sunitas no Norte e Oeste do país em 2014.

”Aqueles que vêm sendo escravizados são, predominantemente, mulheres e crianças, principalmente da comunidade yazidi”, diz o relatório conjunto divulgado em Genebra referindo-se a uma minoria não-muçulmana do norte do Iraque vista pelo Estado Islâmico como adoradores do diabo.

”Mas também há pessoas de outras comunidades de minorias étnicas e religiosas.”

Os islamistas sunitas, que assumiram a responsabilidade pelos atentados contra mesquitas e mercados xiitas em Bagdá, devem enfrentar um processo por crimes internacionais, disse Francesco Motta, diretor do escritório de direitos humanos da ONU no Iraque.

“Eles usam civis como escudos e crianças em conflitos armados, eles também usam como alvo direto a infraestrutura civil e isso constitui em crimes de guerra, bem como crimes contra a humanidade”, disse ele em uma coletiva de imprensa por telefone, de Bagdá.

O grupo procura “basicamente eliminar, limpar ou destruir comunidades minoritárias”, disse Motta.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below