1 de Fevereiro de 2016 / às 18:09 / 2 anos atrás

Ao lado de Cunha e Renan, Janot destaca sucesso da Lava Jato em discurso no STF

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, durante sessão em Brasília. 03/03/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, exaltou nesta segunda-feira o sucesso da operação Lava Jato ao discursar na abertura do ano do Judiciário no Supremo Tribunal Federal (STF) em cerimônia com a presença dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ambos investigados pela operação.

“Os poderes político, econômico e os setores da sociedade civil hão de entender que o país adentrou em nova fase, da qual os holofotes não serão desligados e estarão constantemente direcionados à observância estrita do ordenamento jurídico. É isso que a sociedade espera do Ministério Público”, afirmou Janot, após enumerar dados da Lava Jato como 119 mandados de prisão cumpridos, 40 acordos de delação premiada e 5 acordo de leniência.

“Até o momento são 80 condenações, contabilizando 783 anos e 2 meses de pena”, acrescentou.

Segundo Janot, os crimes denunciados até o momento envolvem o pagamento de propina de 6,4 bilhões de reais, dos quais 2,8 bilhões foram recuperados por meio de acordos de colaboração e 659 milhões foram repatriados. Também já foram bloqueados 2,4 bilhões de reais em bens dos réus, afirmou.

Janot também rebateu os críticos da Lava Jato, dizendo que “enganam-se de forma propositada e interpretam de forma distorcida aqueles que questionam” o cerne das investigações.

“Da mesma forma que elementos podem conduzir nossa atuação ao oferecimento de denúncia, igualmente levam-nos a querer o arquivamento. A autonomia e a imparcialidade da Justiça e do Ministério Público opõem-se a qualquer tipo de autoritarismo, de caráter político, ideológico ou econômico”, afirmou.

O procurador-geral fez o discurso lado a lado com Cunha, que é alvo de um pedido de afastamento da presidência da Câmara e de seu mandato parlamentar em decorrência dos inquéritos no âmbito da Lava Jato.

O deputado foi denunciado pela PGR por suspeita de ter recebido 5 milhões de dólares em propina no esquema de corrupção na Petrobras. Também é alvo de inquérito que apura a existência de contas bancárias no exterior no nome dele e de familiares.

Após Janot discursar, o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, elogiou a fala do procurador-geral, dizendo que ficará marcada na história da corte.

Também estava presente à cerimônia, representando a presidente Dilma Rousseff, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que já foi criticado por Cunha por supostamente não coibir vazamentos de informações sigilosas envolvendo o deputado. Cunha, Cardozo e Renan não discursaram na cerimônia.

Reportagem de César Raizer, com reportagem adicional de Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below