19 de Fevereiro de 2016 / às 11:40 / em 2 anos

Turquia diz que EUA emitem declarações conflitantes sobre milícia curda YPG

ISTAMBUL (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores da Turquia acusou os Estados Unidos, nesta sexta-feira, de fazerem declarações conflitantes sobre a milícia curda Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla em curdo), um sinal das divisões crescentes entre os membros da Otan sobre as políticas para a Síria.

Chanceler turco, Mevlut Cavusoglu. 19/02/2016 REUTERS/David Mdzinarishvili

O ministro Mevlut Cavusoglu disse que o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, lhe afirmou que os insurgentes curdos não são confiáveis, o que Cavusoglu vê como um desvio da posição oficial de Washington.

O apoio norte-americano ao YPG no combate ao Estado Islâmico na Síria enfureceu Ancara, que teme que avanços da milícia curda no norte sírio insuflem o separatismo em sua própria minoria curda. A Turquia diz que o YPG foi responsável por um atentado com carro-bomba em Ancara esta semana que matou 28 pessoas.

“Recorrer a grupos terroristas como o YPG na luta contra o Daesh (termo árabe para o Estado Islâmico) na Síria é acima de tudo um sinal de fraqueza”, disse Cavusoglu. “Todos precisam pôr fim a este erro. Em especial os Estados Unidos, nosso aliado, precisam pôr fim a este erro imediatamente”.

Ele falava em uma coletiva de imprensa em Tbilisi, capital da Geórgia, e seus comentários foram transmitidos ao vivo pela rede de televisão estatal turca TRT Haber.

“Meu amigo Kerry disse que o YPG não é confiável”, disse o chanceler. “Quando você olha algumas das declarações vindas da América, declarações conflitantes e confusas ainda estão chegando... ficamos contentes de ouvir de John Kerry ontem que sua opinião sobre o YPG mudou parcialmente”.

Os Estados Unidos disseram não considerar o YPG um grupo terrorista. Na quinta-feira, um porta-voz do Departamento de Estado norte-americano disse que Washington não está em posição de confirmar nem negar a acusação turca de que a milícia curda está por trás do atentado em Ancara.

Ele também pediu à Turquia que encerre seus bombardeios, iniciados recentemente, contra o YPG. O braço político da milícia negou que o grupo seja responsável pelo ataque e disse que a Turquia o utiliza para justificar uma escalada nos combates no norte da Síria.

Até agora, as autoridades detiveram 17 pessoas ligadas ao atentado, e há indícios de que elas têm relação com o ilegal Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), relatou a agência estatal de notícias Anadolu, citando fontes da procuradoria-geral de Ancara.

Por Daren Butler

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below