March 1, 2016 / 1:59 PM / 3 years ago

Assad apoia trégua na Síria e acusa oposição de cometer violações

BERLIM/BEIRUTE (Reuters) - O presidente da Síria, Bashar al-Assad, descreveu a cessação de hostilidades em vigor desde sábado no país como um “vislumbre de esperança”, e acusou a oposição de violar o acordo que almeja encerrar quase cinco anos de combates.

Presidente sírio, Bashar al-Assad, durante entrevista ao jornal espanhol El País em Damasco. 20/02/2016 REUTERS/SANA/Divulgação via Reuters

Seus opositores, por outro lado, acusaram o governo sírio de desrespeitar a frágil trégua atacando repetidamente suas posições, o que Damasco nega.

Observadores internacionais reconheceram as violações do acordo, mas enfatizaram que o nível de violência diminuiu consideravelmente.

“Faremos nossa parte para que a coisa toda funcione”, disse dito Assad em trecho de uma entrevista à rede pública de televisão alemã ARD.

O presidente disse que o Exército sírio não reagiu às violações da trégua para dar uma chance ao pacto.

“Os terroristas violaram o acordo desde o primeiro dia. Nós, como Exército da Síria, estamos evitando reagir para dar uma chance de se manter o acordo. Mas no final das contas tudo tem limite, e tudo depende do outro lado”, afirmou Assad.

O presidente disse ainda que o povo da Síria está sofrendo um “desastre humanitário”.

A guerra já matou pelo menos 250 mil pessoas e obrigou milhões a abandonarem seus lares.

A Organização das Nações Unidas (ONU) espera que a cessação das hostilidades lhe permita levar ajuda a mais de 150 mil pessoas em áreas sitiadas do território sírio.

O acordo de cessação das hostilidades, elaborado por EUA e Rússia, também é visto pela ONU como uma oportunidade de ressuscitar as conversas de paz, que desmoronaram antes mesmo de começarem um mês atrás, em Genebra.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, disseram haver uma necessidade urgente de implementar o acordo e de levar as partes em conflito de volta à mesa de negociações, afirmou um comunicado da organização.

O pacto não inclui o Estado Islâmico nem a Frente Nusra, e Assad e seus apoiadores russos deixaram claro que pretendem continuar atacando os grupos jihadistas.

Reportagem adicional de Lidia Kelly, Tom Perry e Stephanie Nebehay

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below