19 de Abril de 2016 / às 18:37 / 2 anos atrás

Equador vê poucas chances de encontrar sobreviventes; número de mortos beira 500

PEDERNALES/CANOA, Equador (Reuters) - Assolado por um forte terremoto no fim de semana, o Equador estava diante da dura realidade de recuperar mais corpos do que sobreviventes nesta terça-feira, terceiro dia depois da tragédia, e o número de mortes subiu para quase 500.

Prédio destruído após terremoto em Pedernales, Equador. 18/04/2016 REUTERS/Guillermo Granja

Rezando por milagres, familiares desesperados imploravam para que as equipes de resgate encontrassem seus entes queridos enquanto escavavam os destroços de casas, hotéis e lojas desmoronadas na costa do Oceano Pacífico, a região mais atingida.

    O número de mortes chegou a 480, e a previsão é que aumente ainda mais.

    O terremoto danificou ou destruiu cerca de 1.500 edifícios e obrigou mais de 20 mil pessoas a passarem a noite em abrigos, de acordo com o governo equatoriano.

Em visita à região do desastre, o presidente equatoriano, Rafael Correa, visivelmente comovido, disse que a reconstrução irá custar entre 2 bilhões e 3 bilhões de dólares e que pode representar um fardo “pesado” à nação de 16 milhões de pessoas.

Em Pedernales, uma cidade litorânea rústica que ficou devastada, multidões se reuniam atrás de fitas de isolamento para ver bombeiros e policiais revolvendo os escombros noite adentro. O estádio de futebol da localidade está servindo como um centro de apoio e necrotério improvisados.

    “Encontrem meu irmão, por favor!”, gritava Manuel, de 17 anos, gesticulando com os braços para o céu diante de uma pequena loja de esquina onde seu irmão caçula trabalhava quando o tremor aconteceu, na noite de sábado.

    Quando um passante disse que recuperar o corpo pelo menos lhe daria o conforto de poder enterrar o irmão, Manuel gritou “Não diga isso!”.

    Mas para ele e centenas de equatorianos angustiados com o desaparecimento de parentes, o tempo está acabando.

    A partir desta terça-feira, os esforços de resgate irão se tornar muito mais uma busca por cadáveres, disse o ministro do Interior do Equador, José Serrano, à Reuters.

    Em muitos vilarejos ou cidades mais isoladas, os sobreviventes sofrem com a falta de água, eletricidade e transporte. As operações de resgate continuam, mas o cheiro de decomposição é um indicativo do que provavelmente irão encontrar.

    Quase 400 socorristas de vários países vizinhos foram ao Equador prestar ajuda, além de 83 especialistas da Suíça e da Espanha. Os Estados Unidos disseram que irão enviar uma equipe de especialistas em desastres, e Cuba está encaminhando uma equipe de médicos.

Para financiar esforços emergenciais, cerca de 600 milhões de dólares em crédito de creedores multilaterais foi ativado, informou o governo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below