1 de Junho de 2016 / às 13:17 / em um ano

Crianças iraquianas de Falluja podem sofrer violência extrema, diz Unicef

BAGDÁ (Reuters) - Pelo menos 20 mil crianças continuam sitiadas em Falluja, o bastião iraquiano do Estado Islâmico próximo da capital Bagdá, correndo o risco de serem separadas de suas famílias e recrutadas à força para os combates, alertou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) nesta quarta-feira.

Membros das forças de segurança do Iraque vistos em Falluja. 01/06/2016 REUTERS/Alaa Al-Marjani

“Estamos preocupados com a proteção das crianças em um quadro de violência extrema”, disse o Representante do Unicef no Iraque, Peter Hawkins, em um comunicado.

“As crianças correm o risco de recrutamento forçado para a luta” dentro da cidade sitiada e “separação de suas famílias” se conseguirem sair, acrescentou.

Apoiadas por milícias xiitas e ataques aéreos da coalizão liderada pelos Estados Unidos, as Forças Armadas iraquianas lançaram uma ofensiva em 23 de maio para recapturar Falluja, localizada 50 quilômetros a oeste de Bagdá.

O ataque a Falluja deu início ao que se espera ser uma das maiores batalhas já travadas contra o Estado Islâmico. Ela foi a primeira cidade do Iraque a cair nas mãos dos militantes sunitas ultrarradicais em janeiro de 2014.

Cerca de 50 mil civis permanecem ali, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU). As forças de segurança iraquianas operando em Falluja separam sistematicamente homens e meninos de mais de 12 anos das famílias para investigar possíveis laços com o Estado Islâmico.

Por Maher Chmaytelli

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below