9 de Agosto de 2016 / às 13:37 / em um ano

Turquia prendeu 16 mil pessoas em inquérito pós-golpe, diz ministro

ISTAMBUL (Reuters) - O ministro da Justiça da Turquia, Bekir Bozdag, disse nesta terça-feira que 16 mil pessoas estão presas e sendo mantidas sob custódia formalmente por ligação com a tentativa fracassada de golpe de Estado do mês passado, e que outros 6 mil detidos ainda estão sendo registrados.

Militares turcos bloqueando passagem de carros em Istambul. 15/07/2016 REUTERS/Stringer

Outras 7.668 pessoas estão sendo investigadas, mas não estão detidas atualmente, relatou o ministro em uma entrevista à agência estatal de notícias Anadolu transmitida ao vivo em canais de televisão turcos.

A Turquia deteve, afastou ou suspendeu dezenas de milhares de pessoas no Judiciário, nas Forças Armadas, na polícia, no funcionalismo público e em outros setores em função de supostos laços com o golpe malfadado de 15 de julho, quando uma facção dos militares tentou depor o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e o governo.

Mais de 240 pessoas foram mortas e quase 2.200 ficaram feridas, já que a facção utilizou caças, helicópteros militares e tanques e abriu fogo contra civis, enquanto tentava derrubar o governo.

Desde a tentativa de deposição, soldados, policiais, juízes, jornalistas, médicos e funcionários civis foram afastados ou presos, despertando entre aliados ocidentais o temor de que Erdogan esteja aproveitando os acontecimentos para acumular mais poderes.

Ancara culpa seguidores do clérigo muçulmano Fethullah Gulen, auto-exilado nos Estados Unidos, pelo golpe frustrado. Gulen, cujos apoiadores nas forças de segurança, no Judiciário e no funcionalismo público Erdogan acusa de orquestrarem a tentativa de tomada de poder, nega qualquer conexão com o complô.

As autoridades turcas dizem que os seguidores de Gulen usaram vários aplicativos de mensagens de smartphone para se comunicarem nos anos que antecederam o golpe fracassado e que a agência de inteligência nacional da Turquia decifrou o programa e conseguiu rastrear dezenas de milhares de pessoas do grupo.

Um funcionário turco de alto escalão disse que a agência de inteligência do país identificou pelo menos 56 mil agentes da rede de Gulen graças à decodificação de um aplicativo de mensagens pouco conhecido chamado ByLock, que o grupo começou a usar em 2014. Este ano a inteligência turca conseguiu mapear a rede.

O jornal turco Haberturk noticiou que o Alto Conselho de Juízes e Promotores (HSYK, na sigla em turco) realizou trabalhos para uma nova rodada de expurgos de 1.500 juízes e promotores. Quase 3 mil deles foram suspensos nos dias que se seguiram à tentativa de golpe.

         (Por Seda Sezer e Tuvan Gumrukcu)

Tradução Redação Rio de Janeiro; +55 21 2223-7148REUTERS MPP

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below