10 de Agosto de 2016 / às 19:22 / em um ano

Padilha diz que "ministério de notáveis" garante votos e minimiza mudanças no projeto sobre Estados

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou nesta quarta-feira que o governo do presidente interino Michel Temer conseguiu a aprovação de tudo a que propôs no Congresso, inclusive o texto final do projeto de renegociação das dívidas dos Estados com a União.

Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, durante entrevista coletiva no Palácio do Planalto, em Brasília 07/07/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino

Em discurso num almoço com a Frente Parlamentar Mista em Defesa do Comércio, Serviços e Empreendedorismo, Padilha disse que além de formar um “dream team” na área econômica, Temer montou um “ministério de notáveis” que garante os votos no Congresso para o governo aprovar as medidas propostas.

Tanto no discurso, como ao falar com jornalistas ao chegar para o almoço, Padilha adotou a retórica de vitória pela aprovação do projeto sobre a dívida dos Estados apesar das concessões feitas pelo governo para garantir a votação favorável dos deputados.

“Grande vitória da base do governo, do ministro Meirelles, do governo na medida em que conseguimos limitar o aumento na despesas dos Estados”, disse Padilha ao chegar para o encontro, que teve a participação do ministro Henrique Meirelles, da Fazenda.

O ministro da Casa Civil procurou minimizar a retirada do projeto do congelamento por dois anos dos vencimentos do funcionalismo público dos Estados como uma das contrapartidas exigidas pela União. [nL1N1AR01Y]

“Houve um momento em que o relatório trazia algo que era algo totalmente dispensável, porque já está previsto no artigo 169 da Constituição Federal que é a autorização da Assembleia Legislativa para poder ou não ter aumentos de servidores”, disse.

“De outra parte, a limitação para aumentos de salários é prevista neste mesmo dispositivo que não pode acontecer de nenhuma forma quando não tenha origem orçamentária”, concluiu.

Apesar do discurso otimista sobre a base aliada por integrantes do governo, as críticas de que o Palácio do Planalto tem feito muitas concessões para conseguir aprovar as medidas propostas, reduzindo sua eficácia, têm aumentado.

Em seu discurso, Padilha falou muito de temas econômicos, voltou a defender a necessidade das reformas da Previdêmcia, trabalhista, tributária e política.

O ministro fez também uma enfática defesa da parceria com a iniciativa privada, mencionando entre outros pontos que a ideia de Temer é incluir as hidrovias nas concessões a serem feitas pelo governo.

Reportagem de César Raizer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below