20 de Agosto de 2016 / às 16:04 / em um ano

No Egito, acordo com FMI traz austeridade que poucos podem arcar

CAIRO (Reuters) - Poucos anos atrás, Imad não teria imaginado estar em uma fila sob o forte sol no Cairo para receber uma porção semanal de leite infantil subsidiado, mas a alta nos preços indica que o salário desse servidor público mal dure até o fim do mês, e o governo está apertando ainda mais o cinto.

“Gastos com eletricidade cresceram, com alimentos também. A única coisa que não subiu no Egito foi o salário do povo, e mesmo assim tudo o que eles discutem é cortar subsídios”, disse Imad.

Pressionada por problemas econômicos e uma crise política desde o levante de 2011 para derrubar Hosni Mubarak, egípcios estão se preparando para uma nova era de austeridade.

As reformas são parte de um programa para cortar o déficit orçamentário e reequilibrar os mercados de câmbio sob promessas ao Fundo Monetário Internacional (FMI), a fim de assegurar um empréstimo de 12 bilhões de dólares em três anos.

Mas a oposição política às medidas envolvendo cortes de subsídios, desvalorizações e novos impostos, ao passo que dezenas de milhões de pessoas dependem de alimentos subsidiados pelo Estado, fazem desse um programa ambicioso.

O custo do fracasso, dizem economistas, é alto. O déficit no orçamento está perto de 10 por cento do PIB. A inflação está em 14 por cento e uma escassez em divisas externas tem prejudicado importações.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below