30 de Setembro de 2016 / às 14:22 / em um ano

UE acelera ratificação de acordo do clima de Paris para garantir implementação

BRUXELAS (Reuters) - Estados da União Europeia concordaram nesta sexta-feira com uma ratificação acelerada e conjunta do acordo de Paris contra as mudanças climáticas, garantindo apoio suficiente para que o pacto entre em vigor neste ano e encaminhe uma mudança radical da economia mundial que a distancie dos combustíveis fósseis.

O entendimento entre os ministros do Meio Ambiente de todos os 28 países-membros é um avanço político raro para a UE em um momento de discórdia a respeito da crise imigratória e de incerteza após o referendo de desfiliação do Reino Unido.

“Todos os Estados-membros dão luz verde para uma ratificação antecipada da UE ao Acordo de Paris: o que alguns acreditavam impossível agora é real”, afirmou no Twitter o presidente do Conselho Europeu, o polonês Donald Tusk, cujo país-natal vinha sendo o principal a resistir a um acordo rápido.

A decisão do bloco, que representa cerca de 12 por cento das emissões poluentes globais, terá que ser aprovada pelo Parlamento Europeu na semana que vem, e esta decisão, por sua vez, aprovada pelos ministros.

Para entrar em vigor, o Acordo de Paris precisa da ratificação formal de 55 países que representam 55 por cento das emissões globais. Assim que essa meta for alcançada, o pacto passa a valer dentro de 30 dias.

Consolidar o acordo antes da eleição presidencial dos Estados Unidos em 8 de novembro tornará mais difícil desfazê-lo se o republicano Donald Trump, que se opõe a ele, vencer.

Até agora, 61 nações representando 47,8 por cento das emissões mundiais já o ratificaram, lideradas por China e EUA. A Índia, responsável por 4 por cento, deve fazê-lo no domingo, e a ratificação da UE deve ultrapassar a meta. O Brasil também já ratificou sua parcela no acordo.

A Polônia quis concessões à sua economia, baseada no carvão, antes da reunião especial desta sexta-feira, por isso os ministros do Meio Ambiente da UE encontraram uma maneira de romper com o procedimento normal e fechar o acordo de Paris coletivamente.

O pacto pretende manter o aumento médio das temperaturas “bem abaixo” dos 2 degraus Celsius acima dos níveis pré-industriais para lidar com o aquecimento global. Isso irá exigir um rompimento dramático com os combustíveis fósseis neste século como parte dos esforços para limitar ondas de calor, inundações, secas e a elevação dos mares.

O atalho da UE, apelidado pelo ministro da França de “criatividade institucional”, acabará dependendo da confiança na ratificação de cada um de seus 28 integrantes. Se não o fizerem, aqueles que já deram um passo adiante podem se ver forçados a cumprir os cortes de emissões do bloco como um todo.

Reportagem adicional de Agnieszka Barteczko, em Varsóvia, e Alister Doyle, em Oslo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below