21 de Outubro de 2016 / às 10:37 / em um ano

Conselho eleitoral da Venezuela suspende etapa de referendo e revolta oposição

CARACAS (Reuters) - A autoridade eleitoral da Venezuela suspendeu na quinta-feira a próxima fase de um referendo revogatório do impopular presidente Nicolás Maduro e provocou revolta na oposição, que acusou o governo socialista de usar táticas ditatoriais.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, durante evento em Caracas. 12/10/2016 Miraflores Palace/Handout via REUTERS

A nação rica em petróleo está atolada em uma crise econômica brutal que tem obrigado famílias a cortar refeições devido à escassez de alimentos e à inflação de três dígitos. Maduro, ex-motorista de ônibus e líder sindical eleito três anos atrás para substituir o falecido líder Hugo Chávez, tem visto sua popularidade despencar à medida que a recessão aumenta.

Seus inimigos prometeram pressionar pela realização de um referendo revogatório contra ele neste ano – que, se bem-sucedido, iria desencadear novas eleições presidenciais que Maduro perderia, segundo pesquisas de opinião.

O Conselho Nacional Eleitoral já havia dito que tal votação não ocorreria em 2016, e pareceu colocar o último prego no caixão na noite de quinta-feira.

Citando ordens dos tribunais, o organismo eleitoral informou em comunicado que está suspendendo a iniciativa de coleta de 4 milhões de assinaturas a partir da semana que vem que poderia levar à votação.

Mais cedo na quinta-feira, autoridades do partido governista da Venezuela disseram que várias cortes regionais anularam uma coleta de assinaturas anterior da oposição devido a alegações de fraude.

“Espero que a justiça seja cumprida e que os responsáveis por esta trapaça sejam detidos”, disse o número dois do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), Diosdado Cabello, durante uma manifestação política ainda na quinta-feira.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) repudiou a decisão, acrescentando que irá delinear seu plano de ação nesta sexta-feira.

“Temos um governo de ladrões usando o poder para se manter”, disse o parlamentar opositor Jorge Millan em publicação no Twitter.

A oposição precisava de um referendo neste ano porque, segundo as regras constitucionais da Venezuela, caso Maduro perca um plebiscito no ano que vem, seu vice assumirá e não haverá uma nova eleição, o que tiraria da oposição a oportunidade de assumir o poder depois de 17 anos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below