14 de Agosto de 2017 / às 14:43 / em 4 meses

Mesmo com maioria anti-Temer no PSB, presidente escolhe indicado de deputados do partido para Codevasf

BRASÍLIA (Reuters) - Mesmo com a maior parte do PSB da Câmara tendo votado a favor do julgamento da denúncia contra o presidente Michel Temer por corrupção passiva, ele escolheu nesta segunda-feira um nome indicado por parte da bancada do partido, Antônio Avelino Rocha, para presidir a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

Presidente Michel Temer, durante cerimônia em São Paulo 07/08/2017 REUTERS/Paulo Whitaker

O comando da Codevasf, empresa pública com orçamento bilionário, é um dos principais cargos do segundo escalão do governo por sua influência no Nordeste, e motivo de assédio dos partidos da base aliada durante e após a votação pela Câmara que impediu o Supremo Tribunal Federal (STF) de julgar a acusação criminal contra Temer.

Para nomear Avelino Rocha o governo exonerou Kênia Marcelino da presidência da Codevasf, que havia sido indicada, segundo uma fonte, pelo senador Antonio Carlos Valadares (SE), também do PSB.

O novo presidente da empresa, Avelino Rocha, é ligado ao deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), um dos principais aliados de Temer. Heráclito negou à Reuters que a indicação de Rocha seja somente dele, mas sim de toda ala do partido que votou a favor do Temer na questão da denúncia.

Dos 35 deputados do PSB que participaram da votação, 22 votaram a favor do prosseguimento da acusação contra o presidente, 11 contra e ainda houve duas ausências. Para Heráclito, a escolha de Rocha é um reconhecimento de que o presidente leva em consideração a ala do partido que apoia o governo.

“Não tenho nenhuma dúvida disso”, disse o deputado. Com o crescente racha dentro do PSB, iniciado com a posição contrária adotada pela direção sobre as reformas trabalhista e da Previdência, cresceram as discussões sobre a saída de vários parlamentares da legenda.

A mudança na Codevasf deve aumentar o nível de insatisfação de partidos da base com o presidente, uma vez que legendas que votaram em peso contra a denúncia do presidente vinham pressionando por aumentar a sua participação no governo. Esperavam ser contemplados inicialmente com ministérios e depois, diante da resistência do Palácio do Planalto em promover uma reforma, ao menos postos no segundo e terceiro escalão.

Outros partidos da base pressionavam para emplacar o novo presidente da Codevasf. Um deles era o PP, partido que fechou questão em favor de Temer na denúncia e deu 37 votos contra o prosseguimento e somente sete a favor - houve ainda duas ausências.

Questionado se o reduzido apoio do PSB na comparação com outras legendas da base não seria motivo para que o governo privilegiasse os demais aliados, Heráclito Fortes discordou. “Não, os que têm cargos no PSB vão ser punidos? Não é assim.”

Reportagem de Ricardo Brito

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below