15 de Agosto de 2017 / às 18:04 / em 2 meses

Relator de MP da TLP mantém expectativa para leitura de parecer nesta semana

BRASÍLIA (Reuters) - O relator da medida provisória que cria a Taxa de Longo Prazo (TLP) para substituir a TJLP nos financiamentos do BNDES, deputado Betinho Gomes (PSDB-PE), acredita ser possível ler o parecer na quarta-feira e prosseguir com o andamento da proposta na comissão mista onde tramita, apesar de considerar que o presidente do colegiado, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), tem atuado para deixar a medida perder a validade.

A leitura do relatório, passo essencial na tramitação de qualquer proposta no Legislativo, estava prevista para esta terça-feira, mas foi adiada para quarta-feira. Na semana passada, diante da falta de quórum, Lindbergh encerrou uma reunião em que ocorreria a leitura do parecer de Gomes, adiando para esta terça, e agora voltou a adiar para quarta-feira.

“Desde sexta-feira que o Lindbergh tomou essa decisão, mais uma vez descumprindo o acordo, visando caducar a MP”, disse o relator da medida à Reuters.

“Temos total esperança em concluir a tramitação na comissão... A gente acredita que é possível ler amanhã, depois votar e levar a plenário”, afirmou o deputado.

Sobre a possibilidade de o governo enviar um projeto de lei com os mesmo termos da MP em regime de urgência, ideia levantada na manhã desta terça pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Gomes reiterou sua expectativa de seguir com a tramitação da MP, reconhecendo, no entanto, a importância de ter uma alternativa caso a votação da medida fique inviabilizada.

“É natural que o presidente da Casa esteja pensando em alternativa”, avaliou. “Uma possibilidade, caso o assunto não consiga evoluir, é sempre bom. Ter uma carta na manga é sempre bom”, disse.

Tanto Gomes quanto Maia fizeram uma provocação ao presidente da comissão, que nega atuar para que a MP perca a validade.

Segundo a assessoria de Lindbergh, os prazos regimentais correm normalmente e a reunião desta terça-feira foi adiada devido a uma reunião de líderes no mesmo horário e à CPI do BNDES, que também tem agenda prevista para esta tarde.

Sobre o adiamento da semana passada, o argumento é que não havia quórum, e que se a medida tanto interessa ao governo, seus líderes deveriam ter trabalhado para garantir a presença de parlamentares no colegiado.

”O governo não pode colocar a culpa da sua desarticulação política em mim. Na última reunião marcada não tinha o quórum e eu como presidente só tive a opção de encerrar a sessão”, disse Lindbergh, em nota.

A MP da TLP é um dos três projetos que o governo considera prioritários para a geração de receitas no curto prazo, mas corre o risco de perder a validade se não for aprovada na comissão mista e pelas duas Casa do Congresso até o dia 7 de setembro.  

Reportagem de Maria Carolina Marcello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below