1 de Setembro de 2017 / às 20:17 / em 2 meses

MPF pede absolvição de Lula em processo sobre obstrução de Justiça na Lava Jato

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante entrevista à Reuters na cidade alagoana de Penedo 23/08/2017 REUTERS/Paulo Whitaker

SÃO PAULO (Reuters) - O Ministério Público Federal no Distrito Federal pediu nesta sexta-feira a absolvição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo em que ele é réu acusado de tentar obstruir as investigações da operação Lava Jato.

Nas alegações finais do processo, que tramita na Justiça Federal do Distrito Federal, o MPF pediu ainda a perda de benefícios de delação premiada por parte do ex-senador Delcídio do Amaral, que afirmou que Lula ordenou a ele que comprasse o silêncio do ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró.

“O que se comprovou nos autos foi que não houve no caso uma orquestração geral para impedir que a Lava Jato avançasse na elucidação do mega esquema de corrupção por ela investigado. Foi uma atuação pessoal de Delcídio tentando salvar-se e, para tanto, buscando apoio financeiro junto a comparsas daquele esquema de corrupção, pessoas que também poderiam estar interessadas no silêncio de Cerveró”, afirmou o MPF nas alegações finais.

“Ao final, dando errado sua estratégia, Delcídio lançou mão de sua última carta: atribuir os fatos a um terceiro, que na sua visão seria ‘a menina dos olhos da investigação’. E, com sua boa retórica, levou o MPF a erro, criando uma situação realmente esdrúxula: o chefe do esquema sagrou-se livre entregando fumaça.”

O MPF também pediu nas alegações finais a absolvição do ex-presidente do BTG Pactual André Esteves.

Delcídio, à época filiado ao PT e líder do governo da então presidente Dilma Rousseff, foi preso em novembro de 2015 por causa de uma gravação feita por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras, na qual o então parlamentar ofereceu dinheiro, influência junto ao Supremo Tribunal Federal e até uma rota de fuga em troca do silêncio de Nestor Cerveró.

Na conversa, Delcídio citou Esteves como um dos interessados na compra do silêncio do ex-diretor. O executivo também chegou a ser preso neste caso.

Posteriormente, em acordo de delação premiada, Delcídio acusou Lula de ser o mandante da tentativa de comprar o silêncio de Cerveró e, assim, atrapalhar as investigações da Lava Jato.

Em suas alegações finais, o MPF afirma que o acordo de delação firmado com Delcídio “padece de algumas falhas que determinam o rompimento do acordo firmado”.

“Delcídio mentiu, ainda, ao atribuir a Lula a coordenação desse esquema de pagamento de valores pela compra do silêncio de Cerveró”, disse o MPF.

“Assim agindo, escondeu do Ministério Público Federal sua real função de chefe no esquema referido, angariando benefícios que não receberia se a verdade prevalecesse. Assim, demonstrada a rescisão do acordo, caberá ao juízo, no momento da condenação, referir tal situação, com a consequência de não se aplicar qualquer benefício a Delcídio no presente processo.”

Reportagem de Eduardo Simões

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below