7 de Setembro de 2017 / às 15:07 / um mês atrás

Acordo para delação de Palocci está avançado, dizem fontes

O ex-ministro Antonio Palocci é escoltado por policiais federais em Curitiba, no Estado do Paraná, Brasil 26/09/2016 REUTERS/Rodolfo Buhrer/File photo

BRASÍLIA (Reuters) - O depoimento do ex-ministro Antonio Palocci, na quarta-feira, em Curitiba, foi apenas uma amostra do que deverá estar na delação premiada que o petista negocia com a força-tarefa da Lava Jato e que está caminhando rapidamente, disseram à Reuters duas fontes que acompanham a negociação.

Palocci negocia desde maio um acordo de delação premiada. Inclusive trocou de advogados - dispensou José Roberto Batochio, contrário ao instrumento e contratou Adriano Bretas, especialista no assunto.

O início da delação foi conturbado e a Força-Tarefa da Lava Jato chegou a dizer que, extraoficialmente, não havia informações que justificassem a delação. Nas últimas semanas, no entanto, o assunto voltou a andar.

De acordo com uma das fontes que acompanha a delação de Palocci, já está preparado um número considerável de anexos que envolvem todos os seus anos de governo, parte do alto escalão da administração de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e vários setores do governo.

“É uma colaboração densa, tem uma evolução natural. Não se faz da noite para o dia. Tem muitos detalhes, envolve uma década de participação dele no governo. É como pousar um jumbo, não é um teco-teco qualquer”, disse a fonte.

A força-tarefa da Lava Jato planejava terminar a delação de Palocci antes do dia 17 de setembro, para que o atual Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, pudesse enviar o pedido de homologação ao Supremo Tribunal Federal já com pedidos de inquérito.

Uma das fontes disse à Reuters que o prazo ainda não está descartado, apesar de faltaram apenas 10 dias para Janot entregar o cargo para a nova PGR, Raquel Dodge. Já a segunda fonte acredita ser difícil que qualquer coisa avance nessa última semana de Janot, com a PGR em transição.

Ex-ministro da Fazenda no governo de Luiz Inácio Lula da Silva, coordenador da campanha da primeira eleição de Dilma Rousseff e ministro da Casa Civil em seu primeiro mandato, Palocci está preso há quase um ano em Curitiba e foi condenado a 12 anos de prisão.

O depoimento do petista na quarta-feira, em inquérito que apura a compra de um imóvel pela Odebrecht para o Instituto Lula, foi um sinal do que deve vir em sua delação. Palocci, pela primeira vez, confirmou a participação direta de Lula nas negociações para um “pacote de propina” a ser pago pela Odebrecht em troca de manter uma boa relação no governo Dilma.

Entre os benefícios estavam, segundo Palocci, a doação do imóvel para o Instituto Lula, a compra do sítio de Atibaia e uma conta de 300 milhões de reais em propinas para serem usadas pelo partido.

A delação de Palocci é uma das mais temidas dos últimos meses. Além da cúpula do governo, o receio é a prometida intenção do ex-ministro de detalhar informações que atingem o setor financeiro.

Há alguns meses, justamente pelos rumores de que seriam atingidos pelas investigações da Lava Jato, bancos procuraram o Banco Central para negociar previamente um projeto de acordo de leniência para o setor. O texto, que desagradou o MPF, prevê negociações fechadas com o Banco Central e em sigilo para não abalar o mercado.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below