11 de Setembro de 2017 / às 22:05 / um mês atrás

Presidente da CPI mista da JBS deve decidir relator ainda nesta 2ª e quer ouvir irmãos Batista

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da CPI mista da JBS, senador Ataídes Oliveria (PSDB-TO), afirmou que deve decidir no fim da noite desta segunda-feira entre três nomes para a relatoria da comissão criada no Congresso para investigar denúncias relacionadas à empresa, controlada pelo grupo J&F.

Ataídes deve escolher um nome para a relatoria dentre os deputados Francischini (SD-PR), Hugo Leal (PSB-RJ), e Carlos Marun (PMDB-MS), defensor ferrenho do governo e integrante do mais numeroso partido no Congresso.

“Temos três nomes na mesa.... acredito que até às 22h de hoje um desses três nomes será escolhido”, disse Ataídes a jornalistas.

“Nós temos o PMDB que é um grande partido... estamos conversando, o PMDB não está tão resistente também”, afirmou, lembrando da tradição na Casa de designar as relatorias com base na proporcionalidade das siglas.

Questionado se o deputado Marun teria postura independente do governo para relatar a CPI, já que o presidente Michel Temer é um dos implicados nos áudios gravados por executivos da JBS, Ataídes preferiu responder que vê independência em Francischini.

“Eu não vou comprar encrenca com o maior partido do Congresso Nacional.”

DEPOIMENTOS

Dentre as pessoas listadas para serem ouvidas na CPI, segundo o presidente, estão os irmãos Joesley e Wesley Batista, além do executivo do grupo Ricardo Saud, e do ex-procurador da República, Marcelo Miller, sobre quem recai a suspeita de ter trabalhado pelos interesses da empresa enquanto ainda integrava a procuradoria. Para que sejam ouvidos, no entanto, é necessário que a CPI mista aprove requerimentos de convite ou convocação.

O presidente do colegiado tem a intenção de ouvir também o ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) Luciano Coutinho além de ex-presidentes do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A CPI foi sugerida por Ataídes pouco depois da divulgação de áudios da JBS que embasaram uma denúncia contra o presidente Michel Temer.

Ataídes aproveitou a entrevista para negar que tenha tratado da CPI com Temer em encontro no último sábado e afirmou que a conversa foi sobre uma obra em seu Estado.

Reportagem de Maria Carolina Marcello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below