26 de Setembro de 2017 / às 13:38 / em um mês

Indústria de café do Brasil está apreensiva com restrição na oferta, diz Abic

SÃO PAULO (Reuters) - A indústria de café no Brasil avalia que a restrição na oferta do grão para suas atividades deve-se a uma questão de preço, mas está “um pouco apreensiva”, caso esse cenário se prolongue, disse nesta terça-feira o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), Ricardo Silveira.

Trabalhador seleciona grãos de café durante coleita em Espírito Santo do Pinhal, no Estado de São Paulo 18/05/2012 REUTERS/Nacho Doce

Na semana passada, a Reuters mostrou que produtores estão segurando a safra recém-colhida à espera de cotações mais atrativas. Além disso, indefinições sobre o tamanho da colheita no próximo ano, dada a estiagem recente, também deixam os cafeicultores cautelosos em comercializar seu produto.

“Já era esperado que a safra deste ano fosse menor, porque é um ciclo de baixa (para o arábica). Mas com os preços em queda, a oferta está ainda mais seletiva (para a indústria). Se o produtor acha que não está sendo remunerado com esses preços, ele segura o café”, comentou Silveira no intervalo de evento da Abic, em São Paulo, para premiar as melhores marcas de café de 2017.

Pelos dados mais recentes da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra 2017 de café no Brasil será 12,8 por cento menor ante a de 2016, com 44,77 milhões de sacas, puxada para baixo justamente pela menor produção de arábica.

Para o próximo ano, Silveira disse apenas que as perspectivas são preocupantes em razão da falta de chuvas nas principais áreas produtoras do Brasil nas últimas semanas, condição climática que fez o setor deixar de apostar em uma supersafra.

Indagado sobre a necessidade de importação de café em um cenário assim, o presidente da Abic disse que este é um assunto “dormente” por ora.

“Pelo que sabemos, já está tudo certo para se autorizar a importação de café, mas estamos em um governo de transição. Então esse assunto ficará só para o próximo governo, após as eleições de 2018”, explicou.

A indústria pleiteou com força anteriormente a liberação de importação de café verde como forma de compensar a quebra de safra de conilon (robusta) no Espírito Santo.

A variedade é utilizada para o “blend” com o arábica pela indústria torrefadora, além de ser bastante utilizada na produção do café solúvel.

PREMIAÇÃO

A Abic premiou nesta terça-feira as marcas que se destacaram dentro do Programa de Qualidade de Café (PQC) de 2017. O programa reúne 748 marcas certificadas.

Na categoria tradicional, a marcada premiada foi o Café Pelé, da Jacobs Dowe Egberts (JDE), enquanto na categoria superior foi o Café Fraterno, da torrefadora DPS Gonçalves.

Quanto à categoria gourmet, o premiado foi a marca 3 Corações Orgânico Vácuo, do Grupo 3 Corações.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below