2 de Outubro de 2017 / às 10:56 / em 2 meses

Descobertas sobre "relógio biológico" garantem Nobel de Medicina a 3 cientistas dos EUA

ESTOCOLMO (Reuters) - Os cientistas norte-americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young receberam o prêmio Nobel de Medicina de 2017 por suas descobertas de mecanismos moleculares que controlam nossos relógios biológicos, anunciou nesta segunda-feira o instituto que concede os prêmios.

Um dos vencedores do prêmio Nobel de Medicina Michael Rosbash, em sua casa, em Newton, nos Estados Unidos 02/10/2017 REUTERS/Brian Snyder

Os mecanismos ajudam a explicar, por exemplo, por que pessoas que viajam longas distâncias ao longo de vários fusos horários costumam sofrer de jet lag, e têm implicações mais abrangentes para a saúde, como o risco maior de ter certas doenças.

“As descobertas (dos três cientistas) explicam como plantas, animais e humanos adaptam seu ritmo biológico de forma que seja sincronizado com as revoluções da Terra”, disse a Assembleia do Nobel do Instituto Karolinska da Suécia em um comunicado.

Os ganhadores usaram moscas-das-frutas para isolar um gene que controla o ritmo biológico diário normal e mostraram como este gene codifica uma proteína que se acumula na célula durante a noite e se degrada durante o dia.

“O relógio regula funções críticas, como comportamento, níveis hormonais, sono, temperatura corporal e metabolismo”, afirmou a Assembleia do Nobel ao conceder o prêmio equivalente a 1,1 milhão de dólares.

Thomas Perlmann, secretário do Comitê do Nobel do Instituto Karolinska, descreveu a reação de Rosbash ao ser informado da homenagem: “Ele ficou em silêncio, e depois disse ‘você está brincando’”.

A medicina é o primeiro prêmio Nobel anunciado a cada ano. As homenagens por conquistas na ciência, literatura e paz foram criadas de acordo com o testamento de Alfred Nobel, empresário e inventor da dinamite, e são concedidas desde 1901.

Os premiados com o Nobel de medicina incluem grandes cientistas, como Alexander Fleming, descobridor da penicilina, e Karl Landsteiner, cuja identificação de tipos sanguíneos diferentes abriu caminho para as transfusões seguras.

O prêmio já teve suas polêmicas, especialmente quando visto em retrospecto, como aquele concedido em 1948 pela descoberta do DDT, um produto químico que ajudou a combater epidemias, mas mais tarde foi proibido devido aos danos que causa ao meio ambiente.

Por Niklas Pollard e Simon Johnson; Reportagem adicional de Anna Ringstrom, Daniel Dickson e Johannes Hellstrom

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below