March 15, 2018 / 11:17 PM / 5 months ago

Jungmann promete punição a envolvidos no assassinato de vereadora do Rio, seja quem for

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, prometeu nesta quinta-feira que os responsáveis pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), na véspera, serão encontrados e punidos, sejam eles quem forem.

Ministro Raul Jungmann concede entrevista em Brasília 7/3/2018 REUTERS/Ueslei Marcelino

A declaração foi feita ao ser questionado por jornalistas nessa quinta-feira se a morte da parlamentar carioca poderia ter sido cometida por policiais do Rio de Janeiro ou de forças ligadas à polícia local.

Marielle era uma ativista dos direitos humanos, que combatia e denunciava regularmente, inclusive nas redes sociais, abusos e excessos em ações da polícia em comunidades carentes da cidade.

“Tudo tem que ser apurado e, particularmente, saber quem foram os executantes, se existem mandantes e a quem estão relacionados e por quê, além de puni-los”, disse Jungmann a jornalistas no Centro Integrado de Comando e Controle, que fica a poucos metros do local do assassinato.

“Temos que colocá-los na cadeia, seja quem for... uma coisa é você se sentir incomodado e discordar, outra coisa é tirar a vida de uma pessoa e isso tem que ser punido, seja de dentro ou de fora (da polícia). Tem que pagar por esse crime bárbaro”, acrescentou o ministro, que foi ao Rio acompanhar de perto o andamento das investigações sobre o assassinato.

Segundo ele, todas as hipóteses estão sendo consideradas neste estágio inicial das investigações. Para o ministro, a investigação, a rigor, já está federalizada devido à intervenção federal na área de segurança pública do Estado, mas a Polícia Civil do Rio comandará as investigações.

Nesta manhã, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, abriu uma investigação preliminar a fim de avaliar se pede formalmente a federalização das investigações do assassinato da vereadora.

ESFORÇO CONJUNTO

Segundo Jungmann, há uma mobilização das forças policiais e militares em torno da apuração do assassinato e na busca da identificação dos mandantes e executores do crime. Os serviços de inteligência de todas as forças também estão agindo conjuntamente na apuração do crime.

“Espero que a resposta seja rápida e confiamos no trabalho da polícia civil e das demais polícias”, disse.

Testemunhas do crime, entre elas a assessora da vereadora que estava no mesmo carro da parlamentar e do motorista mortos, já foram ouvidos e câmaras de segurança da região também estão sendo analisadas para tentar identificar os autores das mortes.

O crime contra a vereadora acontece em meio a uma intervenção federal na área de segurança do Estado, mas o ministro declarou que as Forças Armadas não vieram ao Rio para fazer mágica no combate ao crime.

“Não sei se é o teste de fogo da intervenção, mas vamos apurar e punir os responsáveis... o que importa é punir quem cometeu,” disse. “Vamos fazer justiça.”

A intervenção foi decretada há cerca de um mês após uma escalada da violência no Estado e diante da incapacidade de investimentos do Rio de Janeiro nas suas forças policiais em virtude de uma grave crise fiscal local.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below