May 22, 2018 / 8:19 PM / 3 months ago

Venezuela expulsa enviado dos EUA em reação a sanções

CARACAS (Reuters) - O presidente Nicolás Maduro ordenou nesta terça-feira a expulsão do diplomata norte-americano mais graduado na Venezuela em retaliação a uma nova leva de sanções provocada pela eleição amplamente rejeitada do país sul-americano.

Maduro recebe certificado como vencedor das eleições 22/5/2018 REUTERS/Marco Bello

Os Estados Unidos são um de diversos países que não reconheceram a votação de domingo.

O sucessor de 55 anos de Hugo Chávez se reelegeu com facilidade, mas críticos disseram que a votação foi repleta de irregularidades, desde o veto à participação dos dois rivais opositores mais populares ao oferecimento de um “prêmio” do governo aos eleitores.

O presidente dos EUA, Donald Trump, reagiu com um decreto que limita a capacidade de Caracas para vender ativos do Estado, aumentando a pressão sobre o governo já carente de dinheiro.

Acusando o encarregado de negócios norte-americano Todd Robinson de estar envolvido em uma “conspiração militar”, Maduro ordenou que ele e outro diplomata veterano, Brian Naranjo, partam dentro de 48 horas.

Ele não deu detalhes das acusações, mas disse que a embaixada dos EUA vem interferindo em questões militares, econômicas e políticas e prometeu apresentar provas à nação em breve.

“Nem com conspirações nem com sanções vocês segurarão a Venezuela”, disse Maduro em um evento na sede da comissão eleitoral, que é comandada por simpatizantes do governo, no centro de Caracas.

O Departamento de Estado norte-americano disse rejeitar as alegações de Maduro feitas contra os diplomatas expulsos.

“CRIME CONTRA HUMANIDADE”

Mais cedo nesta terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores venezuelano classificou as sanções como “um crime contra a humanidade”. A gestão socialista de Maduro, que há tempos acusa uma “guerra econômica” liderada por Washington pela crise profunda no país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), disse que as novas sanções violam a lei internacional.

    “A Venezuela volta a condenar a campanha sistemática de agressão e hostilidade do regime dos EUA para punir o povo venezuelano por exercer seu direito de voto”, disse a chancelaria em um comunicado. “Estas medidas arbitrárias e unilaterais constituem um crime contra a humanidade”.

De acordo com o ministro do Comércio da Venezuela, José Vielma, as sanções recentes terão um efeito “mais sério” sobre o sistema financeiro, mas disse que o país sul-americano continuará a exportar combustível e petróleo aos EUA apesar das relações bilaterais cada vez mais hostis.

A oposição da Venezuela acusa o governo Maduro de se comportar de forma imoral e de tentar ocultar a escassez e a corrupção por trás de uma retórica bombástica. A principal coalizão opositora boicotou a votação de domingo, que qualificou como uma farsa criada para legitimar o controle de Maduro a despeito de sua baixa popularidade.

Maduro, cujo segundo mandato começa em janeiro próximo, obteve 68 por cento dos votos, mas o comparecimento foi de menos de 50 por cento – em 2013 a cifra foi de 80 por cento.

    O ex-governador estadual Henri Falcón, que rompeu com o boicote para concorrer contra Maduro, disse ter recebido relatos de centenas de irregularidades.

    (Reportagem adicional de Deisy Buitrago e Andrew Cawthorne em Caracas, Ben Blanchard em Pequim e Robin Emmott em Bruxelas)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below