May 24, 2018 / 4:08 PM / 7 months ago

Greve de caminhoneiros ainda não afetou economia, mas pode acontecer se durar mais, diz fonte da equipe econômica

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A paralisação dos caminhoneiros que adentra o quarto dia nesta quinta-feira ainda não impactou a economia com força, afirmou uma fonte da equipe econômica, mas ressalvando que o efeito pode ser relevante se o movimento se prolongar por semanas.

Caminhoneiros tentam parar motorista de caminhão que não queria participar de protesto, em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro 24/05/2018 REUTERS/Pilar Olivares

“A questão é que a gente está começando a fazer conta. Como foi muito curto, o efeito é provável que não seja relevante. Se ficar por semanas, é provável que seja relevante”, acrescentou a fonte, falando à Reuters em condição de anonimato.

Internamente, o time econômico ainda está “procurando caminhos” para calcular esse efeito, mas considera a conta “muito difícil” de ser feita.

Por enquanto, o governo calcula que o Produto Interno Bruto (PIB) do país crescerá 2,5 por cento neste ano, menos do que os 3 por cento esperados antes devido à surpresa negativa da atividade no trimestre passado, em meio à baixa confiança dos agentes econômicos e elevado desemprego.

Nesta manhã, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) afirmou que os protestos contra a alta dos preços do diesel e a carga tributária no combustível continuarão até que a isenção da alíquota PIS/Cofins sobre o produto, aprovada na véspera pela Câmara dos Deputados, seja publicada no Diário Oficial da União.

A questão representa um impasse pois o governo argumenta que seriam necessários 12,5 bilhões de reais, num cálculo inicial, para cobrir a perda de receitas com a renúncia tributária.

“Não sei qual vai ser a solução dada pra isso. Sei que precisa fazer a compensação (pela perda com arrecadação)”, disse a fonte. As contas públicas do país têm sofrido sucessivos rombos

A paralisação dos caminhoneiros prossegue com bloqueios em estradas de todo país, provocando desabastecimento de produtos e enormes filas de motoristas em postos de combustíveis, apesar de a Petrobras ter anunciado na véspera uma redução de 10 por cento dos preços do diesel nas refinarias por 15 dias.

Diversos setores da economia já relatam desabastecimento e prejuízos na exportação.

Economistas consultados pela Reuters consideram que ainda é cedo para avaliar quais cadeias serão afetadas e portanto qual o impacto que a greve dos caminhoneiros terá sobre a atividade econômica do segundo trimestre, preferindo aguardar para ver quanto tempo ela vai durar.

As primeiras impressões poderiam vir com dados como os de produção de veículos e papelão, fluxo nas estradas, consumo de energia ou venda de veículos, de acordo com os especialistas.

“Se acabar essa semana, o impacto é mínimo. Mas se o problema se estender, no mês de junho dará para ter ideia do impacto”, afirmou o economista-sênior do banco de investimentos Haitong, Flávio Serrano.

Reportagem adicional de Camila Moreira, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below