September 21, 2018 / 10:40 AM / 3 months ago

Candidatos miram em Haddad em debate e disputam simpatia do eleitor de olho em 2º turno

(Reuters) - Candidatos à Presidência da República que buscam uma vaga no segundo turno da eleição de outubro dirigiram ataques ao presidenciável que ocupa atualmente a segunda posição nas sondagens eleitorais, Fernando Haddad (PT), em debate realizado na noite da quinta-feira na TV Aparecida.

Fernando Haddad chega à TV Aparecida para debate de candidatos à Presidência 20/09/2018 REUTERS/Paulo Whitaker

De olho em uma vaga na votação decisiva da eleição presidencial, postulantes ao Palácio do Planalto como Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), e Marina Silva (Rede) tentaram se colocar como alternativa para unir o país frente ao que chamaram de extremismo.

As críticas centradas a governos do PT responsabilizaram o partido pela crise econômica, a corrupção e o desemprego. Não faltaram, no entanto, respingos ao governo de Michel Temer e a candidatos relacionados a ele, e também ao primeiro colocado nas pesquisas, Jair Bolsonaro (PSL), que permanece internado após uma facada sofrida em evento de campanha.

“Estamos frente a 13 milhões de desempregados, herança do PT. Da Dilma e do PT, que quebraram o Brasil, destruíram as empresas estatais. O petrolão foi o maior escândalo do mundo de desvio de dinheiro público”, disse Alckmin, após um início morno de debate.

Alckmin foi questionado por Haddad sobre medidas impopulares como a emenda do teto dos gastos e a reforma trabalhista adotadas pelo governo Temer com apoio do PSDB.

“Não precisaria de PEC do teto se não fosse o vale-tudo do PT, que não tem limites. Para ganhar eleição vale tudo. Quem paga a conta é o povo”, disse Alckmin, lembrando que o PT escolheu Temer para vice de sua chapa presidencial, por duas vezes.

Apesar dos ataques ao petista, Alckmin também tentou ocupar a posição da terceira via e disse que o país “perde com os extremos”.

Em sua primeira participação em um debate após ser confirmado como substituto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva —barrado pela Lei da Ficha Limpa—, Haddad lembrou do apoio do partido de Alckmin ao atual presidente durante boa parte de seu governo e também no impeachment de Dilma.

“O Temer era vice da Dilma mas quem se uniu ao Temer para trair a Dilma —porque se não tivesse os votos do PSDB ela não seria afastada— foi o PSDB. Ele que colocou o Temer lá com um programa totalmente diferente do aprovado nas urnas”, disse o candidato do PT.

O petista também recebeu ataques do candidato do MDB, Henrique Meirelles, ele mesmo alvo de tentativas de vinculação a Temer. Meirelles, que com frequência lembra em suas falas e vídeos de campanha de sua participação no governo do ex-presidente Lula como presidente do Banco Central, afirmou que a atual crise econômica foi criada a partir da aplicação do “programa do PT” durante a gestão de Dilma.

“Eu considero a ingratidão um dos maiores pecados na política”, disse Haddad após a fala de Meirelles.

“INCÊNDIO”

Depois, foi a vez de Ciro dar uma alfinetada em Haddad em interação entre os dois, quando discutiam mudanças no sistema tributário. Haddad explicou que seu programa prevê um imposto único para simplificar e reduzir a carga tributária.

Ciro, que também sugere a adoção do Imposto sobre Valor Agregado (IVA), perguntou ao petista o motivo de tais ideias não terem sido colocadas em prática durante as gestões do PT.

“Estimado amigo, não me leve a mal, mas agora vai uma pinicadinha”, avisou Ciro.

“Por que razão a sociedade, o povo brasileiro, machucado como está, deveria acreditar nessas tão boas ideias que estão defendidas, para minha grande alegria e satisfação, num livro que escrevi em 2006 com o professor Mangabeira (Unger), por que o nosso povo deve acreditar que essas propostas na sua possível gestão seriam praticadas se o seu partido, os senhores, estiveram no poder 14 anos?”, questionou o presidenciável do PDT.

Ainda assim, Ciro investiu muito mais em um discurso moderado, na tentativa de se colocar como uma terceira via entre o PT e Bolsonaro, sob o argumento que o extremismo está “infernizando” o país.

Marina, que em suas colocações finais criticou a polarização e também se colocou como opção alternativa para unir o país, referiu-se, durante o debate, à política de crédito via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como “bolsa empresário” dos governos petistas, algo, na opinião dela, foi ampliado na gestão “Dilma-Temer”.

A ex-ministra não deixou de criticar Bolsonaro, e citou recente polêmica entre o candidato e o que chamou de “Posto Ipiranga” dele, o economista Paulo Guedes.

Guedes teria dito em encontro com investidores, segundo o jornal Folha de S.Paulo em reportagem na quarta-feira, que pretende criar um imposto nos moldes da CPMF e unificar a alíquota de Imposto de Renda em 20 por cento. A notícia levou Bolsonaro a recorrer ao Twitter para negar a informação e classificar como “mal intencionadas” as notícias sobre a retomada do tributo.  

Marina referiu-se ao episódio como um “incêndio no Posto Ipiranga”, e considerou o modelo proposto por Bolsonaro como “nefasto” por “penalizar os mais pobres”.  

“Essa visão de política de país tem que ser combatida. Nós temos que acabar com a ideia de ficar entre a cruz e a espada, entre a violência e a corrpução”, disse a candidata.

Reportagem de Maria Carolina Marcello, em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below