for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Rússia fornecerá sistema de defesa aérea S-300 à Síria após acusações contra Israel

Presidente da Rússia, Vladimir Putin, e presidente da Síria, Bashar al-Assad, durante encontro em Sochi 17/05/2018 Sputnik/Mikhail Klimentyev/Kremlin via REUTERS

BEIRUTE (Reuters) - A Rússia anunciou nesta segunda-feira que irá fornecer um sistema de mísseis terra-ar S-300 para a Síria dentro de duas semanas, contra forte objeção israelense, uma semana depois que Moscou acusou Israel de causar indiretamente a queda de um avião militar russo na Síria.

O incidente da última semana, que deixou 15 militares russos mortos, forçou Moscou a tomar “medidas retaliatórias adequadas para aumentar a segurança de soldados russos que estão combatendo o terrorismo internacional na Síria”, disse o ministro de Defesa, Sergei Shoigu, em pronunciamento televisionado nesta segunda-feira.

“Um moderno sistema de mísseis de defesa aérea S-300 será transferido para as Forças Armadas sírias dentro de duas semanas”, disse. O sistema irá “aumentar significativamente as capacidades combativas do Exército sírio”, acrescentou.

A Rússia, que luta na Síria em apoio ao governo, disse que Damasco derrubou o avião de vigilância IL-20 por engano, pouco depois que caças israelenses atingiram um alvo próximo. Moscou culpou Israel por criar condições perigosas que causaram a queda.

Israel, que já atacou a Síria diversas vezes durante a guerra de 7 anos, disse pouco depois do incidente que irá trabalhar para aprimorar o “desconflito” de suas missões com forças russas, mas que não irá interrompê-las. Há muito tempo, Israel pressiona Moscou para que a Rússia não forneça o S-300 à Síria.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres que a decisão de fornecer as armas “não é dirigida a nenhum terceiro país”. “A Rússia precisa melhorar a segurança de seus soldados e isso deve ser claro para todos”, disse.

Mas, Peskov também repetiu as acusações de Moscou de que Israel seria responsável pela queda do avião: “Não há dúvidas de que, de acordo com nossos especialistas militares, ação deliberada de pilotos israelenses foi a razão da tragédia e isso só pode prejudicar nossos laços”.

Reportagem de Maria Kiselyova, Gabrielle Tétrault-Farber e Polina Nikolskaya em Moscou e Ellen Francis em Beirute

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up