October 19, 2018 / 5:03 PM / a month ago

Ao armar população, Brasil corre risco de virar Estado miliciano, diz Haddad

Candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, durante entrevista coletiva no Rio de Janeiro 19/10/2018 REUTERS/Ricardo Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, voltou a criticar nesta sexta-feira a proposta do adversário no segundo turno, Jair Bolsonaro (PSL), de armar a população e disse que há o risco de se criar um Estado miliciano no país.

Haddad argumentou que a população em geral não está preparada e capacitada para usar armas de fogo e o Estado é que tem que ser o responsável por prover segurança.

“Se ele levar em frente essas ideias, estamos num grande risco, que é aumentar violência em vez de diminuir e a privatização da segurança pública vai gerar mais violência”, disse Haddad a jornalistas, ressaltando que, se eleito, vai assumir a responsabilidade pela segurança pública.

O petista disse que a manutenção do teto dos gastos públicos vai piorar ainda mais a situação, impedindo a contratação de pessoal.

“Não é armando a população e não contratando que vai resolver... esse caldeirão vai piorar e aí sabe o que acontece? Vira um Estado miliciano”, disse.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below