November 4, 2018 / 3:08 PM / 16 days ago

Nova Caledônia vota contra a independência da França

PARIS (Reuters) - O arquipélago da Nova Caledônia, no sul do Pacífico, votou contra a independência da França no domingo, em um tão aguardado referendo que encerra um longo processo de descolonização de 30 anos.

Um voto “sim” teria privado Paris de uma posição na região do Indo-Pacífico, onde a China está expandindo sua presença, e ferido o orgulho de uma antiga potência colonial cujo alcance já abarcou o Caribe, a África subsaariana e o Oceano Pacífico.

Com base em resultados provisórios e com uma taxa de participação de quase 80 por cento , o “não” ficou em 56,9 por cento em torno de 11:00 (horário de Brasília), informou a emissora de TV local NC La 1ere em seu site.

“Os caledonianos escolheram permanecer franceses ... É um voto de confiança na república francesa, seu futuro e seus valores”, disse o presidente Emmanuel Macron em discurso na televisão francesa.

O referendo foi o primeiro voto de autodeterminação a ser realizado em território francês desde que Djibuti, no Corno de África, votou pela independência em 1977.

Os eleitores do território em grande parte autogovernado foram questionados: “Você quer que a Nova Caledônia conquiste a soberania plena e se torne independente?”

Macron disse que entendeu a decepção daqueles que queriam independência, mas acrescentou que o Estado francês vai garantir liberdade, igualdade e fraternidade para todos.

“O único perdedor é a tentação do desprezo, divisão, violência e medo; o único vencedor é o processo de paz e o espírito de diálogo”, disse Macron.

As tensões existem há muito tempo entre os Kanaks indígenas pró-independência e os descendentes de colonos que permanecem leais a Paris.

Na última década, as relações entre os dois grupos melhoraram significativamente, mas o resultado do “não” ficou bem abaixo de algumas pesquisas, o que poderia encorajar os nacionalistas a tentar um novo referendo nos próximos anos.

Cerca de 175 mil das 280 mil pessoas que vivem no arquipélago estavam elegíveis para votar, com pesquisas mostrando no início da semana que as ilhas deveriam votar para permanecer em território francês.

Durante uma visita ao arquipélago em maio, Macron reconheceu as “dores da colonização” e saudou a campanha “digna” pela autonomia liderada pelos Kanaks. Ele e seu governo tentaram dar um tom neutro na votação.

A economia da Nova Caledônia é apoiada por subsídios anuais franceses de cerca de 1,3 bilhão de euros (US $ 1,48 bilhão ), depósitos de níquel que representam 25 por cento do total mundial e turismo.

O arquipélago goza de um grande grau de autonomia, mas depende fortemente da França para assuntos como defesa e educação.

Descoberto pela primeira vez pelo explorador britânico James Cook, o arquipélago da Nova Caledônia fica a mais de 16.700 km da França. Tornou-se uma colônia francesa em 1853.

Sob o domínio colonial, os Kanaks foram confinados a reservas e excluídos de grande parte da economia da ilha. A primeira revolta irrompeu em 1878, não muito depois da descoberta de grandes depósitos de níquel que hoje são explorados pela subsidiária SLN da mineradora francesa Eramet.

Geert De Clercq e Sophie Louet em Paris, e Lidia Kelly em Melbourne

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below