January 6, 2019 / 6:38 PM / 10 days ago

Macron enfrenta mais protestos violentos após endurecer postura contra "coletes amarelos"

PARIS (Reuters) - Emmanuel Macron pretendia iniciar o novo ano na ofensiva contra os “coletes amarelos”. Em vez disso, o presidente francês está se recuperando de manifestações mais violentas nas ruas.

O que começou como uma revolta popular contra os impostos sobre o diesel e o alto custo de vida transformou-se em algo mais perigoso para Macron - um ataque à sua presidência e às instituições francesas.

Os manifestantes no sábado usaram uma empilhadeira para forçar a entrada em um complexo ministerial, ateando fogo em carros perto da famosa avenida Champs Élysées e agrediram policiais em uma ponte.

A dificuldade de autoridades francesas para manter a ordem durante os protestos do fim de semana levanta dúvidas não só sobre as táticas de políticas, mas também sobre a resposta de Macron, enquanto ele se prepara para implementar regras mais rígidas para benefícios de desemprego e cortar milhares de empregos no setor público.

Na noite deste domingo, Macron escreveu no Twitter: “Mais uma vez, a República foi atacada com extrema violência - seus guardiões, representantes e símbolos.”

O governo de Macron endureceu a postura contra os “coletes amarelos” depois que o movimento pareceu ter perdido força durante o feriado de Natal.

Na sexta-feira, o porta-voz do governo Benjamin Griveaux disse que a administração não cederia em sua busca por reformas para reformular a economia, marcando protestantes remanescentes que tentavam derrubar o governo.

Vinte e quatro horas depois, ele deixava o escritório pela porta dos fundos, conforme manifestantes invadiram o pátio e destruíram vários carros. “Não fui eu quem foi atacado”, disse depois. “Foi a República.”

Por trás da revolta está a raiva, principalmente entre os trabalhadores mal pagos, em relação ao aperto nos salários e uma crença de que Macron é indiferente às necessidades de cidadãos ao avançar com reformas consideradas pró-empresariado e a favor dos mais ricos.

O governo de Macron tem sido abalado pelos tumultos e foi pego de surpresa em novembro, quando os “coletes amarelos” começaram a bloquear estradas, ocupando pedágios de rodovias e encenando violentas invasões de Paris e outras cidades nos fins de semana.

Passados dois meses, a administração ainda não encontrou uma forma de aliviar a raiva dos “coletes amarelos” e atender às demandas, que incluem salário mínimo mais alto, uma democracia mais participativa e a renúncia de Macron.

Sem um líder claro, as negociações com o grupo têm sido difíceis.

Por Richard Lough e Caroline Pailliez

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below