May 15, 2019 / 5:44 PM / 4 days ago

Estudantes que protestam nesta 4ª-feira são "idiotas úteis" e "imbecis", diz Bolsonaro

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro chamou de “idiotas úteis” e “imbecis” os estudantes que participam nesta quarta-feira dos protestos em diversas cidades do país contra o bloqueio de verbas no Ministério da Educação, que tem afetado o funcionamento de instituições federais de ensino.

Estudantes e professores de universidades protestam contra o bloqueio de verbas no Ministério da Educação, em Brasília 15/05/2019 REUTERS/Adriano Machado

“São uns idiotas úteis, uns imbecis, que estão sendo usados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo de muitas universidades federais do Brasil”, disse Bolsonaro a jornalistas em Dallas, no Texas, para onde viajou para receber um prêmio da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos.

Ao comentar os protestos desta quarta, o presidente também disse que os manifestantes “não sabem nada” e que, se forem questionados sobre a fórmula da água, não saberão a resposta correta.

As declarações de Bolsonaro foram feitas pouco antes de o ministro da Educação, Abraham Weintraub, comparecer ao plenário da Câmara dos Deputados para explicar aos parlamentares o bloqueio de recursos da pasta, que o governo chama de contingenciamento e que os manifestantes classificam de corte.

“Não existe corte. Hoje nós temos um problema que eu peguei um Brasil destruído economicamente também, então as arrecadações não eram aquelas previstas por quem fez o Orçamento para o corrente ano, e se não houver contingenciamento eu simplesmente encontro à Lei de Responsabilidade Fiscal”, disse Bolsonaro a jornalistas ao chegar no hotel em que ficará hospedado em Dallas, onde também se encontrará com o ex-presidente dos EUA George W. Bush.

A União Nacional dos Estudantes (UNE) convocou protestos em todo o país contra o que afirma serem cortes no orçamento do Ministério da Educação, e atividades em algumas instituições de ensino públicas e privadas foram paralisadas nesta quarta em apoio ao movimento.

Ao anunciar o bloqueio de recursos, inicialmente, Weintraub disse que o alvo seriam algumas universidades federais que fariam “balbúrdia”. Posteriormente, e diante de críticas, decidiu que todas as instituições seriam igualmente afetadas.

Ao comentar os protestos a jornalistas em Brasília, o vice-presidente Hamilton Mourão negou que os recursos da pasta estejam sendo cortados e garantiu tratar-se de um contingenciamento.

Ele também afirmou que o governo tem falhado na comunicação sobre o assunto e disse que a ida de Weintraub à Câmara na tarde desta quarta pode ajudar a esclarecer.

“O que existe não é corte, é contingenciamento que ocorreu ao longo de todos os governos. Aliás, a única exceção foi ano passado, que o presidente Temer liberou o Orçamento em fevereiro”, disse o vice a jornalistas.

“Se o ministro souber explicar direitinho. Acho que vocês entenderam o que eu quis transmitir aqui, as coisas que estão acontecendo. Então, nós temos falhado na nossa comunicação, e agora é uma oportunidade dentro do Congresso que o ministro vai ter para explicar isso tudo”, acrescentou.

Weintraub, o segundo titular da Educação em pouco mais de cinco meses de governo Bolsonaro, foi convocado para dar esclarecimentos por ampla maioria dos deputados, que aprovaram requerimento para que ele compareça à Casa para falar no plenário, numa demonstração da fragilidade da articulação política do governo no Congresso.

Por Eduardo Simões, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below