July 12, 2019 / 10:50 AM / 3 months ago

Avanço nas reformas torna cenário mais benigno para inflação, diz Campos Neto

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou na quinta-feira que um avanço nas reformas “obviamente” torna o cenário mais benigno para a inflação, após ter destacado que a aprovação do texto-base da reforma da Previdência pela Câmara dos Deputados era um primeiro passo importante.

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto 26/02/2019 REUTERS/Ueslei Marcelino

Reagindo à colocação da jornalista Miriam Leitão de que todas as condições estavam dadas para uma redução na taxa básica de juros, Campos Neto indicou, em entrevista à GloboNews, que as variáveis analisadas pelo BC para sua decisão sobre a Selic de fato melhoraram.

“Basicamente o que nós dissemos na última comunicação é que quando nós olhamos o externo ele está mais benigno, quando nós olhamos o hiato do produto, quando olhamos a capacidade ociosa, nós hoje temos uma capacidade ociosa maior, nós inclusive reconhecemos que teve interrupção no crescimento, que é um termo forte”, afirmou Campos Neto.

“E como nós tínhamos três fatores e dois melhoraram sensivelmente, nós passamos então a dizer que o fator preponderante ficou com as reformas. Então, nessa linha, obviamente um avanço nas reformas faz com que o cenário fique mais benigno para a inflação no futuro”, prosseguiu.

“Já achávamos que estava mais benigno. Obviamente, como o fator preponderante é as reformas, avançando as reformas nós temos uma melhora nesse sentido.”

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta sexta-feira que trabalha para conseguir encerrar a tramitação da reforma da Previdência na Casa antes do recesso parlamentar, mas reconheceu que a votação da proposta em segundo turno pode ficar para a próxima semana.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC se reúne no fim deste mês para nova decisão sobre os juros básicos, estacionados em 6,5% —seu piso histórico —desde março de 2018.

Na pesquisa Focus mais recente, feita pelo BC junto a uma centena de economistas, a expectativa é de corte de 0,25 ponto percentual na Selic em 31 de julho.

Na curva de DI, o mercado embutia 63% de probabilidade de corte de 0,25 ponto percentual da Selic no fim deste mês, contra 37% de chance de manutenção em 6,50%.

Na entrevista à GloboNews, Campos Neto avaliou que a aprovação por ampla margem do texto-base da reforma da Previdência na Câmara foi vitória sobretudo dos brasileiros e representa uma etapa inicial no necessário processo de ajuste fiscal.

“Esse primeiro passo é muito importante. Eu acho que ele melhora a percepção do Brasil para o investidor estrangeiro, ele vai melhorar, vai estimular que o investidor local privado também faça investimentos. Então eu acho que nós estamos no caminho certo”, disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below