July 14, 2019 / 3:14 PM / 3 months ago

Hong Kong tem novos protestos contra extradição

HONG KONG (Reuters) - Dezenas de milhares de pessoas se reuniram em um grande subúrbio de Hong Kong neste domingo, motivadas pela irritação com a administração do governo de uma lei de extradição que reavivou os temores de que a China aperte o controle da ex-colônia britânica e desmantele suas liberdades.

    Milhões de pessoas tomaram as ruas no mês passado em alguns dos maiores e mais violentos protestos em décadas sobre um projeto de lei de extradição que permitiria que pessoas fossem mandadas para a China continental para julgamento em tribunais controlados pelo Partido Comunista.

    A polícia equipada com tropas de choque se chocou com alguns manifestantes que usaram barreiras de metal e outros objetos para bloquear as estradas.

    Os manifestantes marcharam em calor sufocante de cerca de 32 graus Celsius em Sha Tin, uma cidade entre a ilha de Hong Kong e a fronteira com a China, estendendo os protestos para fora do centro financeiro para os bairros vizinhos.

    “Hoje em dia não há realmente nenhuma confiança da China, e então os manifestantes saem”, disse Jennie Kwan, de 73 anos.

    “Eles não prometeram 50 anos, nenhuma mudança? E, no entanto, todos nós vimos as mudanças. Eu mesmo já tenho 70 e poucos anos. O que eu sei sobre política? Mas a política chega até você.”

    Hong Kong retornou ao domínio chinês em 1997 sob uma fórmula de “um país, dois sistemas”, que garante ao seu povo liberdade de 50 anos que não é desfrutada na China continental, incluindo a liberdade de protestar e um judiciário independente.

    Pequim nega ter interferido nos assuntos de Hong Kong, mas muitos moradores se preocupam com o que veem como uma erosão dessas liberdades e uma marcha implacável em direção ao controle continental.

    Alguns manifestantes neste domingo agitaram cartazes apelando ao presidente dos EUA, Donald Trump, para “Por favor liberte Hong Kong” e “Defenda nossa Constituição”. Tais cenas certamente irritarão Pequim, que se irritou com as críticas de Washington e Londres sobre o controverso projeto de lei.

    Outros acenavam com bandeiras britânicas e norte-americanas, enquanto bandeiras pedindo a independência de Hong Kong ondulavam na brisa abafada de mastros improvisados.

    Um cartaz trazia uma foto do líder chinês Xi Jinping com as palavras: “Extraditar para a China, desaparecer para sempre”.

    Os organizadores disseram que cerca de 115.000 compareceram ao comício de domingo. A polícia colocou o número em 28.000 em seu pico.

Reportagem adicional de Joyce Zhou e Aleksander Solum

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below