July 29, 2019 / 10:36 PM / 18 days ago

Ministro de Relações Exteriores do Paraguai renuncia após repercussão de acordo de energia com Brasil

ASSUNÇÃO (Reuters) - O ministro das Relações Exteriores paraguaio e outras três autoridades renunciaram nesta segunda-feira em meio a um crescente escândalo por conta da assinatura de um acordo de energia com o Brasil, num revés para o presidente Mario Abdo, que sempre buscou laços próximos com o vizinho e principal economia da América do Sul. 

Luis Castiglioni, que renunicou ao cargo de chanceler do Paraguai 15/04/2019 REUTERS/Jorge Adorno

O escândalo foi provocado por um acordo energético relacionado à gigante hidrelétrica Itaipu, que se estende pelos dois países, que segundo autoridades e parlamentares seria enormemente prejudicial ao Paraguai e custaria ao Estado cerca de 200 milhões de dólares. 

O acordo foi assinado em maio, mas foi revelado ao público apenas na semana passada. 

O Brasil e o Paraguai são parceiros em Itaipu, a maior usina hidrelétrica do mundo. 

“O presidente acabou de receber as cartas de renúncia... Ele tomou a decisão de aceitar as renúncias e durante a semana comunicará quem irá substituir essas pessoas”, disse o assessor presidencial Hernán Huttemann a jornalistas.

O ministro das Relações Exteriores, Luis Castiglioni, havia anunciado horas antes de sua renúncia que o Paraguai pediria ao Brasil a suspensão do acordo, que estabelece um cronograma para a compra de energia da usina hidrelétrica até 2022. 

Os três outros que entregaram seus cargos nesta segunda-feira são Alcides Jiménez, que havia assumido como diretor da empresa estatal de energia ANDE há apenas dois dias; Hugo Saguier, o embaixador do Paraguai no Brasil, e José Alderete, o diretor paraguaio de Itaipu. 

O ex-diretor da ANDE Pedro Ferreira, um aliado próximo do presidente paraguaio, renunciou na semana passada após se recusar a assinar o documento, dizendo que o acordo aumentaria os custos da empresa estatal em mais de 200 milhões de dólares. 

Parlamentares de oposição haviam dito que o acordo ia contra a soberania do país. 

O Congresso paraguaio exigiu nesta segunda-feira uma explicação do governo, enquanto autoridades da ANDE se manifestaram na frente da sede do Legislativo com cartazes e faixas que diziam que “Não haverá paz enquanto a Constituição for violada”. 

O governo de Abdo, que mantém uma relação próxima com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse que a decisão foi finalmente tomada através de canais diplomáticos depois do fracasso das negociações entre os técnicos estatais. 

Paraguai e Brasil se preparam para negociar o futuro de Itaipu com um importante anexo ao seu tratado de fundação, que expira em 2023. 

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below