April 9, 2020 / 9:40 PM / 2 months ago

Bolsonaro deveria ter demitido Mandetta, diz Onyx em conversa com Osmar Terra

BRASÍLIA (Reuters) - Em conversa flagrada pela rede de tevê CNN, o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni (DEM), e o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) discutem uma possível demissão do ministro da Saúde, Henrique Mandetta, e defendem que o presidente Jair Bolsonaro deveria ter arcado com o desgaste de demiti-lo.

Ministro da Saúde, Henrique Mandetta 31/03/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino

De acordo com o jornalista da CNN, a conversa foi gravada em uma ligação sua a Terra, que atendeu e não desligou enquanto conversava com Onyx durante um café da manhã.

Na conversa, Onyx comenta que Mandetta “não tem compromisso com nada que Bolsonaro está fazendo”, ao que Terra responde que Mandetta “se acha”.

“Uma coisa como o discurso da quarentena permite tudo. Se eu estivesse na cadeira (de Bolsonaro)...o que aconteceu na reunião eu não teria segurado, eu teria cortado a cabeça dele”, diz Onyx, referindo-se à reunião ministerial chamada de última hora por Bolsonaro na segunda-feira, quando surgiram as informações de que o presidente estava decidido a demitir Mandetta.

Pressionado pela ala militar e outros ministros, como o da Economia, Paulo Guedes, Bolsonaro voltou atrás, mas a reunião ministerial foi duríssima, contou uma fonte, e nela Mandetta voltou a dizer que não pediria demissão e continuaria a defender sua posição. Ao sair do Planalto, em entrevista, o ministro anunciou que ficaria e disse que precisava de um ambiente melhor para trabalhar.

O tom foi considerado acima do necessário mesmo por aliados, e teria irritado o presidente novamente. Osmar Terra pergunta se Onyx havia visto a entrevista.

“Ali para mim foi a pá de cal”, responde o ministro da Cidadania. “Eu já não falo com ele (Mandetta) há dois meses. Aí acho que é xadrez. Se ele sai vai acabar indo para a secretaria do Doria”, disse, referindo-se ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), adversário do presidente.

Terra comenta aí que “ajuda”, aparentemente se referindo a uma pressão para que Mandetta deixe o governo e ainda afirma: “Eu ajudo, Onyx. E não precisa ser eu o ministro, tem mais gente que pode ser.”

Terra era ministro da Cidadania até ser demitido em 13 de fevereiro para que Onyx assumisse a vaga. Apoiador de Bolsonaro desde o início da sua campanha, Onyx era ministro da Casa Civil, mas em uma seqüência de desgastes foi perdendo espaço no governo e terminou retirado do núcleo íntimo do Palácio do Planalto, mas é ainda um dos ministros que defende todas as posições de Bolsonaro.

Já Terra, que voltou para a Câmara com uma vaga promessa de uma liderança do governo, trabalha para voltar ao primeiro escalão. Médico, tem defendido exatamente as mesmas posições do presidente em relação a isolamento vertical e uso da cloroquina, constantemente usando redes sociais e entrevistas para ser ouvido.

Nos últimos dias, Terra conseguiu voltar a frequentar o Palácio do Planalto. Foi o organizador de um encontro de Bolsonaro com médicos —ao qual Mandetta não foi convidado e foi informado por convidados— para discutir o uso da cloroquina. Na segunda, levou para almoçar com Bolsonaro outros dois médicos que defendem um protocolo de uso do medicamento.

Apesar da fala, Terra mal esconde que quer voltar ao ministério. O deputado nega oficialmente, mas tem pretensões de ser candidato ao governo do Rio Grande do Sul em 2022 - mesmo cargo que Onyx, pelo DEM, mira.

Procurados através das suas assessorias, nem Terra nem Onyx quiseram comentar o diálogo.

A revelação da conversa mostra que a posição de Mandetta ainda não está garantida no governo, apesar de Bolsonaro ter adiado sua demissão e do apoio que o ministro da Saúde tem entre a população.

Na quarta-feira, Mandetta pediu uma audiência com o presidente, em um gesto de baixar a guarda. Fontes afirmaram que esse encontro, o primeiro desde a reunião complicada de segunda-feira, marcou uma trégua tremulante entre ambos, com o ministro cedendo, ao menos um pouco, em relação ao uso da cloroquina.

Na tarde desta quinta, Mandetta não quis comentar a conversa flagrada ao sair do ministério e se dirigir ao Palácio do Planalto para a entrevista diária sobre a epidemia de coronavírus.

No entanto, o Planalto cancelou a participação dos ministros de última hora. Bolsonaro, na mesma hora marcada para o evento, não estava no Planalto. O presidente saiu para uma agenda não informada.

Reportagem de Lisandra Paraguassu

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below