April 15, 2020 / 8:21 PM / a month ago

Mandetta diz que recusou demissão de Wanderson: "Sairemos juntos"

BRASÍLIA (Reuters) - Ainda longe do pico da epidemia do coronavírus, o governo quase perdeu um dos homens-chave do combate à doença, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, que chegou a pedir demissão nesta quarta-feira, mas teve sua saída recusada pelo ministro da Saúde, Henrique Mandetta.

Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta 07/04/2020 REUTERS/Adriano Machado

“Vamos trabalhar juntos até o momento de sairmos juntos do Ministério da Saúde”, disse Mandetta, em entrevista coletiva no Palácio do Planalto ao lado de Wanderson e do secretário-executivo do ministério, João Gabbardo. “Por isso, eu fiz questão de vir aqui nessa coletiva de hoje.”

Doutor em epidemiologia, Wanderson tinha apresentado sua demissão durante a reunião da equipe na manhã desta quarta-feira, e o ministério chegou a anunciar sua decisão de permanecer no cargo apenas até sexta-feira apenas, mas Mandetta anunciou que, assim como ele, Wanderson fica até a hora que saírem todos juntos.

Em uma carta enviada à sua equipe pela manhã, Wanderson afirmou que era hora de preparar a saída, que o período de Mandetta à frente do ministério acabara e que havia chegado a indicar seu sucessor.

O ministro, no entanto, o convenceu a ficar - não se sabe por quanto tempo.

Segundo Mandetta, que está ameaçado de demissão pelo presidente Jair Bolsonaro, a entrevista desta quarta-feira é mais uma “rotina” para o ministério, que tem feito boletins presenciais sobre a atuação da pasta no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus. 

O ministro disse que, no período, os boletins têm sido apresentados por ele, Wanderson e Gabbardo, e que nesta quarta-feira não seria diferente. Mandetta classificou como “ruído” uma carta que Wanderson enviou a pessoas próximas mais cedo em que dizia que iria deixar o posto do ministério.

Na noite de terça-feira, Mandetta reuniu seus secretários ao voltar do Palácio do Planalto e afirmou que seria demitido até o final desta semana. De acordo com duas fontes ouvidas pela Reuters, o anúncio do ministro não veio de uma conversa formal no Planalto, mas de um “feeling” sobre a sua situação.

No encontro, Mandetta foi aconselhado por alguns dos secretários a pedir demissão, mas o ministro se recusou e afirmou que iria esperar uma ação formal do presidente Jair Bolsonaro.

Wanderson é o primeiro a anunciar sua demissão, mas boa parte dos secretários deve sair com Mandetta, de acordo com duas fontes ouvidas pela Reuters. Na carta a seus subordinados, o secretário de Vigilância avisou que não ficaria no ministério sem Mandetta e que o mandato do ministro no cargo já havia acabado, restava preparar a saída.

Do Planalto não houve informações oficiais durante o dia sobre uma eventual demissão de Mandetta. Ao sair do Palácio da Alvorada pela manhã, Bolsonaro disse a apoiadores que iria resolver “a questão da saúde” para “tocar o barco”, mas não citou o nome do ministro.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below