April 25, 2020 / 3:59 PM / a month ago

Bolsonaro e Moro trocam farpas no Twitter depois de ex-ministro expor conversa com presidente

BRASÍLIA (Reuters) - Depois do ex-ministro Sergio Moro expor conversas para comprovar as acusações que fez, o presidente Jair Bolsonaro usou sua conta no Twitter para lembrar que apoiou Moro durante o período mais crítico do episódio conhecido como “Vaza Jato”, marcado pelo vazamento de trocas de mensagens entre o então juiz e membros da força tarefa da operação Lava Jato.

Presidente Jair Bolsonaro ao lado do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, durante evento em Brasília 18/12/2019 REUTERS/Adriano Machado

“A Vaza Jato começou em junho de 2019. Foram vazamentos sistemáticos de conversas de Sergio Moro com membros do MPF. Buscavam anular processos e acabar com a reputação do ex-juiz. Em julho, PT e PDT pediram prisão dele. Em setembro, cobravam o STF. Bolsonaro no desfile do dia 7 fez isso”, diz o texto.

Embaixo, uma foto de Bolsonaro com a mão no ombro do ex-ministro. Na ocasião, o presidente desceu do palanque presidencial em um intervalo do desfile e chamou Moro e empresários que estavam presentes para caminhar com ele e cumprimentar as pessoas nas arquibancadas.

Moro respondeu, em seguida, também pelo Twitter:

“Sobre reclamação na rede social do sr. presidente quanto à suposta ingratidão: também apoiei o PR quando ele foi injustamente atacado. Mas preservar a PF de interferência política é uma questão institucional, de Estado de Direito, não de relacionamento pessoal.”

Na noite de sexta-feira, depois de pedir demissão e acusar Bolsonaro de ter admitido querer interferir politicamente na PF, pedir acesso a relatórios de inteligência e investigações, Moro repassou ao Jornal Nacional imagens de duas conversas, uma com o próprio Bolsonaro, e outra com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP).

Em uma das conversas, Bolsonaro manda o link de uma matéria cujo título apontava investigações da PF contra 12 deputados bolsonaristas, e acrescenta: “mais um motivo para troca”, referindo-se à mudança do diretor-geral da PF, Maurício Valeixo. A conversa teria sido na manhã de quinta-feira.

Em seguida, em uma audiência, Bolsonaro informa Moro que Valeixo seria trocado e Moro então avisa que se essa alteração realmente ocorresse, deixaria o governo.

Em outra troca de mensagens, Moro responde a acusação feita por Bolsonaro, em seu pronunciamento, de que o ex-ministro teria aceitado a troca se acontecesse em novembro, e ele fosse então indicado ao Supremo Tribunal Federal.

Zambelli diz a ele que aceite a mudança proposta pelo presidente e vá em setembro para o STF. Moro, que foi padrinho de casamento da deputada, responde: “prezada, não estou à venda”.

O Twitter do presidente alimentou a hashtag “MoroTraidor”, que vem crescendo nas mídias sociais em resposta das redes bolsonaristas à saída do ex-ministro do governo.

Edição Alberto Alerigi Jr.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below