July 27, 2020 / 5:41 PM / 14 days ago

Rubem Novaes seguirá no governo em função na Economia, diz fonte

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O demissionário presidente-executivo do Banco do Brasil, Rubem Novaes, vai continuar no governo e ocupará função de assessoria no Ministério da Economia, informou uma fonte do governo próxima ao assunto.

Demissionário presidente-executivo do Banco do Brasil, Rubem Novaes. REUTERS/Amanda Perobelli

Novaes, que apresentou pedido de demissão com efeito a partir de agosto, deve assumir a posição de diretor de programa da Secretaria Especial de Fazenda, do Ministério da Economia, função ocupada pelo economista Caio Megale, que confirmou à Reuters que deixará o cargo. Caberá a Novaes articular conversas e tratativas com empresários do eixo Rio-São Paulo.

“Rubem continuará no time, ligado ao Ministério da Economia. Ele já não aguenta mais Brasília e não tolerava mais as relações da capital federal”, disse a fonte, que pediu anonimato.

Novaes assumiu o BB logo no início do governo e foi um defensor da privatização do banco público, mas o desejo sempre esbarrou a vontade do presidente Jair Bolsonaro.

“O Novaes ainda tem muito a contribuir”, acrescentou a fonte. O BB informou na sexta-feira sobre o pedido de demissão de Novaes apresentado ao presidente Bolsonaro e ao ministro da Economia, Paulo Guedes, válido a partir de agosto, “em data a ser definida”. O nome do substituto ainda não foi anunciado.

Procurado, Novaes não respondeu às tentativas de contato.

O economista Caio Megale, que chegou a ser cotado ao cargo de secretário do Tesouro —posto assumido recentemente por Bruno Funchal no lugar de Mansueto Almeida— revelou que deve voltar à iniciativa privada, onde já atuou.

BAIXAS

A saída de Megale e Novaes são as mais novas baixas na equipe econômica do governo Bolsonaro. O ex-secretário de Comércio Exterior Marcos Troyjo foi recentemente para a presidência do banco dos Brics (NBD), e Mansueto anunciou em junho que deixaria o Tesouro após cumprir um período de transição.

Apesar de tantas trocas, a fonte do governo garantiu que a área econômica não está sendo enfraquecida.

“O Mansueto ficou um ano em meio no governo além do combinado. Ele tinha se comprometido a dar um apoio de até seis meses durante a adaptação do novo governo. Já estava nos planos”, disse a fonte.

“Não perdemos o Troyjo. Na verdade, ganhamos com o deslocamento para o bancos dos Brics. A estratégia do governo é com ele lá alavancar as vendas para a Ásia, em especial a China. No primeiro semestre desse ano para cada 1 dólar que o Brasil exportou para os EUA, exportou ao mesmo tempo 3,4 dólares para China”, afirmou a fonte.

“Se fizermos as coisas direito, nossos negócios com a Ásia podem deixar o Brasil rico. Vamos buscar cada vez mais saídas para o pacífico”, acrescentou.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below