for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Casa Branca e democratas do Congresso endurecem posições sobre alívio ao coronavírus

WASHINGTON (Reuters) - Os principais democratas do Congresso e autoridades da Casa Branca parecem ter endurecido suas posições sobre uma nova legislação de alívio ao coronavírus na quarta-feira, com as negociações se aproximando do prazo sem nenhum sinal de acordo.

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, disse a repórteres após quase duas horas de discussões que os democratas estão determinados a chegar a um acordo sobre um pacote legislativo, mas apenas se ele atender às necessidades do povo norte-americano que sofre com meses de restrições para conter a disseminação das infecções.

Outro importante negociador, o chefe de gabinete da Casa Branca Mark Meadows, disse à CNN que o presidente Donald Trump está pronto para adotar ação unilateral sobre questões como auxílio-desemprego e proteção contra despejos se as negociações não resultarem em um acordo.

“Se o Congresso não conseguir fazê-lo, o presidente dos Estados Unidos vai”, disse ele.

Trilhões de dólares dividem os dois lados em suas posições depois de mais de uma semana de negociações entre Pelosi, Meadows, o secretário do Tesouro Steven Mnuchin e o líder democrata no Senado, Chuck Schumer.

Os republicanos do Senado foram informados que os negociadores têm até sexta-feira para chegar a um acordo. “Se não houver um acordo até sexta-feira, não haverá um acordo”, disse o senador republicano Roy Blunt a repórteres.

Mas Mnuchin minimizou essa ideia. “Não quero descrever isso como um prazo de fim da semana. O que quero dizer é que determinemos um objetivo, para ver se podemos lidar com as principais questões até sexta-feira”, disse ele.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up