for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Bolsonaro diz que Amazônia não "arde" em fogo e que países da região é que devem cuidar da floresta

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira que os países da região amazônica têm a capacidade de preservar seu patrimônio ambiental e afirmou que a Amazônia não “arde em fogo”.

Presidente Jair Bolsonaro em Brasília 05/08/2020 REUTERS/Adriano Machado

Em discurso na 2ª Cúpula Presidencial do Pacto de Letícia, com países da região amazônica, Bolsonaro garantiu que o governo brasileiro age com “empenho” para combater focos de incêndio e desmatamento e alegou ser criticado “de forma injusta”, apontando como culpados a imprensa e governos estrangeiros.

“O fato de que maior parte da floresta amazônica permanece intacta é a comprovação de que nossos Estados são perfeitamente capazes de cuidar desse patrimônio com atenção aos aspectos ambientais, sociais e econômicos”, disse Bolsonaro, que convidou embaixadores e representantes de países a sobrevoarem região entre Manaus e Boa Vista.

“Eles não acharão nenhum foco de incêndio, nem um quarto de hectare desmatado. Que essa floresta é preservada por si só. Até mesmo pela sua pujança, bem como por ser floresta úmida, como em grande parte dos senhores, não pega fogo”, argumentou.

“Então, essa história que a Amazônia arde em fogo é uma mentira e nós devemos combater isso com números verdadeiros”, completou.

Ao voltar a bater na tecla que o Brasil é uma potência no agronegócio e que, por isso, tem sido alvo de críticas, o presidente citou operação do governo brasileiro de combate a queimadas e delitos ambientais na região da Amazônia, a Verde Brasil, com ativa participação das Forças Armadas, e citou ainda números de julho, que apontam redução no desmatamento.

Na última semana, dados preliminares do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontaram que o desmatamento na floresta amazônica caiu em julho na comparação anual, mas subiu no acumulado de 12 meses. Segundo o instituto, o desmatamento na Floresta Amazônica registrou queda de 26,7% em julho na comparação com o mesmo mês do ano passado, mas subiu 34,5% no acumulado em 12 meses, se comparado com o mesmo período anterior.

Informações oficiais apontaram ainda, no início do mês, que o número de incêndios na Floresta Amazônica aumentou 28% em julho em relação a um ano atrás.

“O Brasil reitera, então, sua permanente abertura ao diálogo e à cooperação, sempre no entendimento de que continuaremos a ser nós, os países amazônicos, os senhores de nossos territórios e de nosso destino”, disse Bolsonaro na reunião presidencial.

Bolsonaro disse ainda que deve ser lançado em breve o fundo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para a bioeconomia e o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up