for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

PGR fecha delação com fundador da Hypera que prevê multa recorde de R$1 bilhão, diz fonte

Exterior do prédio do STF, em Brasília 21/04/2020 REUTERS/Ricardo Moraes

BRASÍLIA (Reuters) - A Procuradoria-Geral da República enviou nesta segunda-feira para homologação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), a delação de João Alves de Queiroz Filho e outros ex-três executivos da Hypera Pharma, informou à Reuters uma fonte com conhecimento direto do assunto.

A colaboração de João Alves de Queiroz Filho, fundador do grupo, prevê o pagamento da maior multa da história de um acordo de delação, no valor de 1 bilhão de reais em recursos financeiros a serem pagos parceladamente. Há ainda outros 95 milhões de reais que serão bancados pelos demais delatores ligados ao grupo.

O acordo, que corre sob segredo de Justiça, é superior em valores ao firmado por Dario Messer, o chamado “doleiro dos doleiros”, firmado pela Lava Jato do Rio de Janeiro e homologado pela Justiça Federal fluminense na semana passada. Nesse acordo, a estimativa é de que o doleiro devolva 1 bilhão de reais em bens.

Procurada por e-mail, a companhia informou que não comentará a questão referente à delação.

Em abril de 2018, Queiroz Filho pediu afastamento da presidência do conselho de administração da Hypera em meio a investigações envolvendo a delação premiada de um ex-executivo da empresa, segundo reportagem da Reuters à época.suor

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up