for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Araújo nega relação entre visita de Pompeo e campanha de Trump e diz que "facínoras" governam Venezuela

Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, durante entrevista coletiva no Itamaraty, em Brasília 15/07/2020 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - Em audiência no Senado para explicar a visita do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, a Roraima, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse nesta quinta-feira que “um bando de facínoras” a quem tem “desprezo” governa a Venezuela e negou que a vinda de Pompeo tenha sido uma operação de marketing para a campanha à reeleição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Araújo afirmou que existe uma convergência entre republicanos e democratas nos EUA em relação à Venezuela e que a visita de seu homólogo norte-americano a Roraima foi para tratar de direitos humanos e defesa da democracia.

Araújo comparou a visita de Pompeo a um amigo que ajuda um vizinho a resolver a situação em uma casa que foi dominada por um narcotraficante.

“O fato de sermos vizinhos não quer dizer que tenhamos que ignorar a situação na casa do vizinho”, disse Araújo durante audiência na Comissão de Relações Exteriores do Senado, acrescentando que as críticas feitas ao governo venezuelano durante a visita de Pompeo a Boa Vista já foram feitas pelo Grupo de Lima em outro momento.

O secretário de Estado foi a Boa Vista, na última semana, para uma visita de três horas, o que foi criticado como uma operação de marketing para a campanha eleitoral de Trump, que buscará a reeleição nas eleições presidenciais dos Estados Unidos marcadas para 3 de novembro.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up