May 2, 2011 / 9:54 AM / 8 years ago

Bin Laden é morto em operação dos EUA no Paquistão

Por Steve Holland e Faisal Mehmood

Pessoas comemoram em frente à Casa Branca, em Washington, após o presidente dos EUA, Barack Obama, anunciar a morte de Osama bin Laden. 01/05/2011 REUTERS/Jason Reed

WASHINGTON/ABBOTTABAD, Paquistão (Reuters) - O líder da Al Qaeda, Osama bin Laden, foi morto numa operação liderada pelos Estados Unidos envolvendo helicópteros e forças de terra no Paquistão no domingo, terminando uma caçada mundial de 10 anos pelo mentor dos ataques de 11 de setembro de 2001.

Autoridades norte-americanas disseram que Bin Laden foi morto num complexo de 1 milhão de dólares em Abbottabad, a 60 quilômetros a norte da capital paquistanesa Islamabad. Uma fonte familiarizada com a operação disse que Bin Laden levou um tiro na cabeça.

“A justiça foi feita”, disse o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou durante discurso na madrugada na Casa Branca em que anunciou a morte do líder militante islâmico por trás de uma série de atentados ao redor do mundo.

Líderes de todo o mundo elogiaram a morte como um sucesso dramático na guerra contra a Al Qaeda, embora muitos analistas alertaram que ainda é cedo para dizer se a morte de Bin Laden marcará um ponto de virada na batalha contra uma fragmentada rede de militantes.

Em júbilo, pessoas acenando bandeiras comemoram em Washington e em Nova York após o anúncio de Obama. Foi a maior vitória na área de segurança nacional de Obama desde que ele assumiu o cargo no início de 2009. A morte de Bin Laden também deve impulsionar sua candidatura à reeleição no ano que vem.

Obama também deve ter facilidade agora em reduzir o tamanho da guerra no Afeganistão, que já dura quase uma década, e iniciada após os ataques de 11 de setembro de 2001 em Nova York e Washington que mataram quase 3 mil pessoas.

Mas a operação pode complicar ainda mais as relações com o Paquistão, já afetadas pelos ataques com aviões não-tripulados dos EUA no oeste do país e pela prisão de um prestador de serviços da CIA acusados de matar dois paquistaneses.

Uma autoridade dos Estados Unidos disse que colegas paquistaneses foram informadas dos detalhes da operação depois que ela aconteceu.

A revelação de que Bin Laden vivia confortavelmente numa mansão também colocará as autoridades paquistanesas sob pressão para explicar como ele conseguiu se esconder bem debaixo de seus narizes.

Moradores de Abbottabad disseram que há uma academia de treinamento militar do Paquistão perto do complexo onde Bin Laden foi morto.

“Por algum tempo haverá muita tensão entre Washington e Islamabad, porque Bin Laden parece que estava vivendo lá, perto de Islamabad”, disse Imtiaz Gul, analista de segurança paquistanês.

Autoridades norte-americanas disseram que suas forças foram levadas ao prédio, de três andares e com características de uma fortaleza, após mais de quatro anos rastreando um dos mensageiros em que Bin Laden mais confiava, a quem os EUA identificaram graças a informações obtidas por homens capturados após os ataques de 11 de setembro de 2001.

“Presos também identificaram este homem como um dos poucos mensageiros da Al Qaeda em que Bin Laden confiava. Eles indicaram que ele poderia viver com Bin Laden ou ser protegido por ele”, disse uma autoridade de primeiro escalão durante coletiva com jornalistas em Washington.

Bin Laden foi finalmente encontrado em agosto de 2010 quando foi descoberto que o mensageiro vivia com o irmão dele num prédio de altíssima segurança no Paquistão.

“Quando vimos o complexo em que os irmãos viviam, ficamos chocados com o que vimos: um complexo extraordinariamente único”, disse a autoridade.

“A conclusão de nossa coleta e de nossa análise era de que tínhamos grande confiança de que o complexo abrigava um alvo terrorista de alto valor. Os especialistas que trabalharam na questão por anos avaliaram que havia uma grande probabilidade de que o terrorista que se escondia lá era Osama Bin Laden”, afirmou um outro membro do governo.

Bin Laden e outros três homens adultos, incluindo um filho do líder militante, foram mortos, junto com uma mulher que estava sendo usada como escudo pelos combatentes, disse uma autoridade.

Reportagem adicional de Jeff Mason, Patricia Zengerle, Arshad Mohammed, Alister Bull, Missy Ryan, Mark Hosenball, Richard Cowan, Kristin Roberts, Andrew Quinn e Tabassum Zakaria, Joanne Allen em Washington e Chris Allbritton em Islamabad

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below