May 2, 2011 / 5:05 PM / 8 years ago

Mundo fica em alerta após EUA matarem Osama bin Laden

Por Mark Hosenball e Kamran Haider

Policial armado mantém guarda em frente à embaixada norte-americana em Londres. Líderes mundiais saudaram a morte de Bin Laden, mas a euforia foi acompanhada por temores de retaliação e avisos sobre a necessidade de vigilância redobrada contra ataques. 02/05/2011 REUTERS/Andrew Winning

WASHINGTON/ABBOTTABAD, Paquistão (Reuters) - Osama bin Laden foi morto na segunda-feira em um ataque norte-americano a sua mansão no Paquistão e seu corpo foi rapidamente sepultado no mar, pondo um fim dramático à longa caçada ao líder da Al Qaeda que se convertera no mais poderoso símbolo do terrorismo global.

Líderes mundiais saudaram a morte de Bin Laden, mas a euforia foi acompanhada por temores de retaliação e avisos sobre a necessidade de vigilância redobrada contra ataques.

A morte de Bin Laden, que alcançou status quase mítico por sua habilidade em evitar ser capturado nos esforços feitos por três presidentes dos EUA, encerra um capítulo amargo na luta contra a Al Qaeda, mas não elimina a ameaça de ataques futuros.

Os ataques de 11 de setembro de 2001, nos quais militantes da Al Qaeda usaram aviões comerciais sequestrados para atacar símbolos econômicos e militares do poderio norte-americano, deram origem a duas guerras —no Afeganistão e Iraque—, causaram danos ainda não reparados aos laços dos EUA com o mundo muçulmano e mudaram regras de segurança para viajantes aéreos.

O presidente dos EUA, Barack Obama, disse na segunda-feira que “este é bom dia” para o país e que o mundo se transformou num lugar melhor após a morte de Bin Laden.

Uma pequena equipe de ataque norte-americana, levada de helicóptero durante a noite à mansão de Bin Laden perto da capital paquistanesa, Islamabad, matou o líder da Al Qaeda a tiros, disseram autoridades dos EUA.

“Foi uma operação para matar,” disse à Reuters um agente de segurança, mas acrescentou: “Se ele tivesse agitado uma bandeira branca de rendição, teria sido capturado vivo.”

A revelação de que Bin Laden estava vivendo em uma residência de três andares na cidade de Abbottabad, sede de uma guarnição militar, e não, como muitos especulavam, nas regiões sem lei da fronteira ocidental do país, representa um constrangimento enorme para o Paquistão, cujas relações com Washington têm se deteriorado sob a administração Obama.

Obama, cuja popularidade vem sendo prejudicada pelos problemas econômicos contínuos dos EUA, provavelmente terá um aumento de curto prazo em seu índice de aprovação popular. Ao mesmo tempo, é provável que enfrente pressão crescente dos norte-americanos para acelerar a retirada das forças dos EUA do Afeganistão, planejada para julho deste ano.

Contudo, é pouco provável que a morte de Bin Laden tenha qualquer impacto sobre a guerra no Afeganistão, que já dura quase uma década e na qual as forças norte-americanas enfrentam violência recorde por parte do Taliban ressurgente.

Muitos analistas vêem a morte de Bin Laden como tendo importância em grande medida simbólica, já que não se acreditava que ele ainda estivesse dando ordens operacionais às muitas organizações autônomas filiadas à Al Qaeda em todo o mundo.

Os mercados financeiros se mostraram mais otimistas. Os preços do dólar e das ações subiram, enquanto os do petróleo e ouro caíram, graças à visão de que a morte de Bin Laden reduz os riscos à segurança global.

AVISOS SOBRE VINGANÇA DA AL QAEDA

Temendo ataques motivados por vingança, os EUA rapidamente lançaram avisos de segurança a norte-americanos em todo o mundo.

O diretor da CIA, Leon Panetta, disse que é “quase certo” que a Al Qaeda procure vingar-se da morte de Bin Laden.

“Embora Bin Laden esteja morto, a Al Qaeda não está. É quase certo que os terroristas tentarão vingá-lo. Devemos e vamos nos manter vigilantes e resolutos,” disse Panetta.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, saudou a morte de Bin Laden como avanço na luta contra o terrorismo, mas também avisou que ela não assinala o fim da Al Qaeda.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, avisou que o Ocidente precisará se manter “especialmente atento” nas próximas semanas.

Autoridades norte-americanas disseram que Bin Laden foi encontrado em uma mansão de 1 milhão de dólares em Abbottabad, 60 quilômetros ao norte de Islamabad. Após 40 minutos de combate, Bin Laden, três outros homens e uma mulher —que, segundo autoridades norte-americanas, foi usada como escudo humano— foram mortos.

Uma fonte bem informada sobre a operação disse que Bin Laden recebeu tiros na cabeça quando a equipe militar norte-americana, que incluiu integrantes da unidade de elite Seals, da Marinha, invadiu a mansão.

Imagens do interior da casa exibidas pela TV mostram sangue espalhado pelo chão ao lado de uma cama grande.

SEPULTADO NO MAR

Dois agentes, que exigiram anonimato para falar, disseram que Bin Laden foi sepultado no mar. Um terceiro agente disse que isso foi feito para impedir que um túmulo dele em terra se tornasse um santuário que atrairia seus seguidores.

Foi a maior vitória de segurança nacional do presidente Obama desde que ele chegou ao poder, no início de 2009, e fará com que seja difícil para os republicanos descreverem os democratas como sendo fracos em relação à segurança quando Obama buscar a reeleição, em 2012.

Em contraste marcante com as comemorações nos Estados Unidos, o clima nas ruas da Arábia Saudita, país de origem de Bin Laden, foi de descrença e tristeza por parte de muitas pessoas. O grupo islâmico palestino Hamas disse que Bin Laden foi “um guerreiro santo árabe.”

PAQUISTÃO FOI INFORMADO APÓS A OPERAÇÃO

A operação pode complicar as relações dos EUA com o Paquistão, aliado chave dos norte-ameircanos na batalha contra a militância e na guerra no Afeganistão. Essas relações já têm sido prejudicadas por ataques de aviões dos EUA não tripulados no oeste do país e pela prisão por seis semanas de um agente a serviço da CIA, no início deste ano.

As autoridades paquistanesas só foram informadas dos detalhes da operação depois de ela ter sido realizada, destacando a falta de confiança existente entre Washington e Islamabad.

Bin Laden foi localizado finalmente depois de, em agosto de 2010, forças norte-americanas terem descoberto que um de seus mensageiros de mais confiança vivia em um imóvel incomum e de alta segurança no Paquistão, que tinha poucas janelas dando para fora e nenhum acesso por telefone ou Internet.

“Depois da meia-noite, um grande número de comandos cercou a mansão. Três helicópteros sobrevoavam o imóvel,” disse Nasir Khan, morador da cidade.

“De repente, houve disparos dos helicópteros em direção ao chão,” disse Khan, que observou a cena dramática desde o telhado de sua casa.

Reportagem adicional de Jeff Mason, Patricia Zengerle, Arshad Mohammed, Alister Bull, Missy Ryan, Mark Hosenball, Richard Cowan, Kristin Roberts, Andrew Quinn, Tabassum Zakaria, Joanne Allen e David Morgan em Washington e Chris Allbritton em Islamabad

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below