7 de Novembro de 2012 / às 02:57 / 5 anos atrás

Dilma brinda aliança PT-PMDB e harmonia da base em jantar

BRASÍLIA, 7 Nov (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff reuniu na noite de terça-feira ministros e lideranças de PT e PMDB para reafirmar a aliança entre os partidos de olho nos próximos dois anos e na eleição presidencial de 2014.

O encontro, de mais de duas horas, ocorreu no Palácio da Alvorada, residência oficial da presidente, e teve a presença do vice-presidente Michel Temer, dos presidentes das duas legendas --Rui Falcão (PT) e Valdir Raupp (PMDB), os presidentes da Câmara, Marco Maia (PT), e do Senado, José Sarney (PMDB), ministros e líderes das bancadas.

Dilma brindou a aliança entre os dois partidos, “do passado e do futuro”, segundo Raupp, e a “harmonia entre os partidos da base”, que saiu “fortalecida” das eleições municipais de outubro.

“Foi discutido mais o resultado das eleições e resultados dos dois principais partidos, PMDB e PT, e de toda base aliada, que elegeu 80 por cento dos prefeitos e 82 por cento dos vereadores. E também a harmonia entre os partidos da base, PT e PMDB”, disse Raupp a jornalistas após o jantar.

Uma possível reforma ministerial não chegou a ser abordada por Dilma, segundo Raupp. Há expectativas quanto às mudanças que a presidente deve realizar no primeiro escalão do governo para reacomodar sua base aliada após as eleições municipais.

A presidente deve abrir espaço para incluir o PSD, partido criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e ampliar a presença do PMDB.

O PMDB deve, ainda, comandar as duas Casas do Congresso a partir de fevereiro e poderia ser contemplado ainda pela fidelidade a Dilma, tanto em votações na Câmara e no Senado, como em alianças eleitorais do pleito municipal recém-encerrado.

ROYALTIES

Foi discutida, ainda, a reforma política. Segundo Raupp, “todos os partidos estão conscientes” da necessidade, mas que Dilma deixará a iniciativa por conta do Congresso.

O jantar ocorreu após a Câmara ter aprovado o projeto enviado pelo Senado que modifica a distribuição de royalties do petróleo entre Estados e municípios.

O texto do Senado foi privilegiado na última hora, em detrimento da proposta elaborada na Câmara, que chegou a ter processo de votação aberto.

O projeto reduz a participação da União e de Estados e municípios produtores e eleva o recebimento dos royalties pelos não produtores.

Assim como o projeto da Câmara, o do Senado aprovado nesta terça-feira pelos congressistas contraria a presidente Dilma ao mudar a divisão das receitas provenientes dos royalties dos contratos vigentes.

Segundo Raupp, Dilma recebeu a votação com “naturalidade” e disse que “a tendência é (da presidente) sancionar sem vetos.” Sobre a Medida Provisória relativa às elétricas, Raupp disse que a votação só irá ocorrer “quando estiver tudo ajustado, tudo acordado”, o que deve deixar o tema para o próximo ano.

Antes do jantar, Dilma passou reunida por mais de três horas com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Alvorada, que não falou com jornalistas e não participou do jantar.

Reportagem de Hugo Bachega e Ana Flor

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below