19 de Novembro de 2012 / às 16:48 / em 5 anos

Farc declaram cessar-fogo no início de negociação de paz

Por Jeff Franks

Negociador-chefe das Farc, Iván Márquez, chega em Havana, Cuba, para negociações. Os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram um cessar-fogo unilateral por dois meses nesta segunda-feira, ao iniciaram negociações com o governo colombiano em uma nova tentativa de restabelecer a paz depois de quase meio século de violência. 19/11/2012 REUTERS/Desmond Boylan

HAVANA, 19 Nov (Reuters) - Os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) anunciaram um cessar-fogo unilateral por dois meses nesta segunda-feira, ao iniciarem negociações com o governo colombiano em uma nova tentativa de restabelecer a paz depois de quase meio século de violência.

As Farc vão suspender operações de ofensiva militar e atos de sabotagem contra a infraestrutura do país a partir da meia-noite desta segunda-feira até o dia 20 de janeiro, disse o negociador-chefe do grupo, Iván Márquez, ao chegar em Havana para as conversações.

“Esta decisão política das Farc é uma contribuição feita para fortalecer o clima de compreensão necessário para que as partes que estão começando o diálogo alcancem o propósito desejado por todos os colombianos”, disse Márquez.

O conflito se desenrola há quase meio século, fez milhares de vítimas e levou milhões a deixarem suas casas na Colômbia. É a mais antiga insurgência na América Latina.

Um fracasso iria significar mais anos de combates e danos à reputação de um país ansioso por atrais mais investimentos estrangeiros e influência regional, mas incapaz de resolver seu problema interno mais grave.

Delegações do governo e das Farc chegaram em carros pretos de luxo no centro de convenções de Havana onde vão reunir-se quase diariamente até que as negociações se encerrem.

O complexo está localizado em Cubanacan, o mais refinado bairro de Havana, repleto de palacetes que antes da revolução pertenciam aos membros da elite da cidade. Praticamente todos os ricos deixaram Cuba depois da revolução de 1959 que transformou a ilha num país comunista, um dos últimos do mundo.

Em três processos de paz anteriores o conflito se mostrou intratável, mas desta vez tanto o governo como as Farc expressam otimismo de que agora será diferente.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, quer um acordo dentro de nove meses, mas os dois lados têm pela frente uma porção de questões espinhosas em sua agenda de cinco pontos, que começa com o desenvolvimento rural.

Os outros pontos são o futuro político e legal dos rebeldes, um fim definitivo para o conflito, o problema do tráfico de drogas e a compensação para as vítimas da guerra.

“Nós esperamos, como também espera a maioria dos colombianos, que as Farc mostrem que pensam que este é o momento para a força das ideais e não a força das balas”, disse o principal negociador do governo, Humberto de la Calle, ao deixar Bogotá rumo a Havana, no domingo.

“O governo quer encerrar o conflito como primeiro passo para avançar na construção de uma paz estável e, nesse cenário, se enquadra a conversão das Farc em um partido político”, afirmou.

DESIGUALDADE SOCIAL

O conflito teve início em 1964, quando as Farc emergiram como um movimento comunista agrário que pretendia mudar a longa história colombiana de desigualdade social.

O grupo foi enfraquecido pela ofensiva militar apoiada pelos Estados Unidos e iniciada em 2002, a qual reduziu o número de rebeldes para cerca de 8 mil e os forçou a se entrincheirarem em redutos na selva e em área montanhosas remotas.

Mas as Farc ainda têm força para lançar ataques. Santos quer pôr fim a isso para que o país possa impulsionar o crescimento da economia, estimulada nos últimos anos pela rápida expansão dos setores de mineração e petróleo.

As Farc se sustentam com o tráfico de cocaína, sequestros para cobrança de resgate e “taxas de guerra” cobradas no território sob seu controle.

Seus líderes negam envolvimento com o narcotráfico e no começo do ano renunciaram à prática dos sequestros, mas os EUA e a Europa consideram o grupo uma organização terrorista.

Márquez, membro do secretariado das Farc, vai liderar uma delegação de 30 pessoas nas conversações, que formalmente começaram no mês passado, na Noruega.

Reportagem adicional de Luis Jaime Acosta em Bogotá

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below