5 de Dezembro de 2012 / às 15:02 / 5 anos atrás

QGEP pode voltar ao mercado para financiar projetos, diz presidente

SÃO PAULO, 5 Dez (Reuters) - A Queiroz Galvão Exploração e Produção poderá voltar ao mercado, provavelmente através de emissão de dívida, para financiar fases posteriores de projetos em Carcará e na área do BS-4, disse nesta quarta-feira o presidente da companhia, Lincoln Guardado, em encontro com analistas.

“Pensando na magnitude que pode vir a ter Carcará e no que vamos necessitar para o BS-4, sem dúvida vamos ter que fazer ‘funding’”, disse o executivo.

A QGEP tem 10 por cento na promissora área de Carcará, no pré-sal da bacia de Santos. O bloco onde está o reservatório é operado pela Petrobras.

“Hoje a companhia é líquida para o início deste desenvolvimento e a campanha exploratória”, disse Guardado, salientando que a captação, no futuro, poderá ocorrer através de emissão de dívida, mas que esta não é a única alternativa avaliada.

O executivo disse que ao longo de 2013 espera ter uma avaliação final dos custos dos projetos, e que só então a QGEP saberá qual o volume da captação de recursos.

As empresas ainda não divulgaram as estimativas de reservas da área de Carcará.

Já a concessão BS-4, também na bacia de Santos, teve plano de desenvolvimento submetido à ANP, incluindo a perfuração de dois poços horizontais.

A QGEP, braço de óleo e gás do grupo Queiroz Galvão, detém 30 por cento do BS-4, onde é operadora. A OGX adquiriu recentemente 40 por cento de participação que a Petrobras detinha na área.

Os executivos da QGEP afirmaram durante o evento que a negociação entre Petrobras e OGX não altera em nada os planos de operação da área.

A empresa atua em outra área com recente descoberta importante, como Biguá.

GÁS

O diretor-presidente da QGEP informou ainda que o campo de Manati, no litoral da Bahia, deve encerrar 2012 com produção média de 6 milhões de metros cúbicos de gás por dia, confirmando previsões anteriores.

O nível de produção em outubro e novembro deve ficar em 6 milhões de metros cúbicos/dia, abaixo do volume do terceiro trimestre, de 6,7 milhões de metros cúbicos, mas acima do nível de 5,2 milhões do início do ano.

O executivo disse ainda que projeta manutenção do nível de 6 milhões de metros cúbicos ao longo de 2013.

A QGEP é a maior acionista de Manati, com 45 por cento de participação. A Petrobras é a operadora do campo, com 35 por cento de participação.

“Ele (Manati) hoje tem geração de caixa de 300 milhões de dólares anuais para a QGEP”, destacou a diretora financeira da empresa, Paula Costa, durante a apresentação.

A ação da companhia operava em alta de 0,4 por cento, enquanto o Ibovespa estava praticamente estável às 12h54.

Reportagem de Gustavo Bonato

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below