2 de Janeiro de 2013 / às 21:03 / em 5 anos

Ânimo com EUA perde fôlego e dólar cai 0,10% ante o real

SÃO PAULO, 2 Jan (Reuters) - O dólar fechou o primeiro pregão de 2013 em leve queda ante o real, com o otimismo visto após o acordo para evitar o “abismo fiscal” nos Estados Unidos dissipando-se no decorrer da sessão.

A moeda norte-americana encerrou em queda de 0,10 por cento, cotada a 2,0460 reais na venda, em relação a cotação do dia 31 de dezembro, quando o mercado operou por meio período e com negócios apenas para fechamento de caixa dos bancos.

Já em relação ao fechamento de sexta-feira, dia 28 de dezembro, considerado o último dia de mercado real do ano de 2012, o dólar encerrou o pregão desta quarta-feira em leve alta de 0,06 por cento.

“Num primeiro momento, o mercado se entusiasmou e ficou mais propenso ao risco ... mas a verdade é que o mercado continua cauteloso”, afirmou o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

O dólar atingiu 2,0329 reais na mínima da sessão logo no início do dia e 2,0451 reais na máxima no final do pregão. Segundo dados da BM&F, o volume negociado foi de 2,102 bilhões de dólares.

Os mercados acordaram otimistas nesta quarta-feira após boas-novas dos Estados Unidos, cujos congressistas evitaram na última hora o “abismo fiscal”, série de aumentos de impostos e cortes de gastos automáticos, que poderia colocar a maior economia do mundo novamente em recessão.

No entanto, ainda há questões pendentes como as negociações sobre o aumento do teto da dívida e os cortes de gastos do governo dos EUA, que podem provocar novas disputas políticas e agitar novamente os mercados.

Fora isso, a vigilância do Banco Central brasileiro sobre o câmbio também ajudou a manter a moeda norte-americana dentro de um nível que o mercado considera confortável para a autoridade monetária.

“Não viemos a refletir muito esse bom humor externo porque estamos mais fortememente precificados que os nossos pares”, disse Galhardo, lembrando que o dólar australiano, considerado de perfil semelhante ao real, se valorizou mais que o real durante a sessão. Às 18h30, a moeda da Austrália avançava 0,94 por cento em relação ao dólar.

A autoridade monetária mostrou-se preocupada com a valorização do dólar no final do ano por conta de possíveis repasses à inflação e atuou com força para fazer a divisa fechar o ano abaixo de 2,05 reais, depois de ter raspado em 2,14 reais no final de novembro.

Por outro lado, medidas tomadas em dezembro que facilitam a entrada de dólares no país e um maior apetite por risco no exterior podem ameaçar o piso informal de 2 reais, o que o governo já deixou claro não querer.

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou no final de novembro que o dólar acima de 2 reais “veio para ficar”. Na época da declaração, o dólar era negociado em torno de 2,11 reais.

“O mercado pode tentar e vai tentar descobrir o novo piso em que o BC vai atuar”, disse Galhardo, destacando, no entanto, que isso deve acontecer de forma gradual. “O dólar, quando sobe, vai de elevador. Mas para descer, vai de escada.”

Reportagem de Natália Cacioli

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below