14 de Fevereiro de 2013 / às 17:28 / em 5 anos

Papa pede a líderes da Igreja que coloquem rivalidades de lado

Por Tom Heneghan

Papa Bento 16 é visto ao celebrar uma missa no Vaticano. Com imagens marcantes e frases momentâneas, Bento 16 está montando um último testamento para a sua Igreja Católica Romana, pedindo aos líderes que ponham de lado suas rivalidades e pensem apenas na unidade da fé. 13/02/2013 REUTERS/ Alessandro Bianchi

CIDADE DO VATICANO, 14 Fev (Reuters) - Com imagens marcantes e frases momentâneas, o papa Bento 16 está montando um último testamento para a sua Igreja Católica Romana, pedindo aos líderes que ponham de lado suas rivalidades e pensem apenas na unidade da fé.

A mensagem, passada em declarações antes e depois de seu surpreendente anúncio de renúncia na segunda-feira, é como uma censura velada aos principais cardeais que disputam influência no conclave que se aproxima e no papado que vai produzir.

Seus comentários vagos também poderiam ser pistas de que foram lutas internas de poder no Vaticano, como a que levou ao escândalo do Vatileaks envolvendo o mordomo de Bento 16 no ano passado, que fizeram com que ele desse o passo quase inédito de desistir da liderança da maior Igreja do mundo.

Bento 16, de 85 anos, vai deixar o cargo em 28 de fevereiro, suscitando um novo conclave --a eleição papal, feita a portas fechadas-- em meados de março, sem um favorito claro e várias facções já apresentando suas ideias sobre quem deve ser o novo pontífice.

Na quarta-feira, o papa alemão instou os fiéis a “mostrar o rosto da Igreja e como esse rosto é às vezes desfigurado”.

“Estou pensando principalmente sobre os pecados contra a unidade da Igreja, sobre as divisões no organismo da Igreja”, ele disse.

“Superar o individualismo e a rivalidade é um sinal de humildade”, acrescentou durante sua última Missa pública na Basílica de São Pedro.

Os jornais italianos, cujos especialistas no Vaticano estão pesando toda palavra dita por Bento 16 nesses dias, destacaram os termos “rosto desfigurado” e “rivalidade” como o que o jornal milanês Corriere della Sera chamou de “sinais arremessados no conclave”.

SODANO VERSUS BERTONE

Vários analistas destacaram a rivalidade bem conhecida entre o cardeal Angelo Sodano, o ex-secretário de Estado ou número dois do Vaticano do antecessor de Bento 16, o papa João Paulo 2º, e o atual vice, o cardeal Tarcisio Bertone.

Sodano nunca escondeu seu desdém por Bertone.

Desde que o sucedeu em 2006, Bertone expurgou vários dos protegidos de Sodano do poderoso Secretariado de Estado, despachando-os para postos de embaixador no exterior ou para papéis menos centrais dentro do próprio Vaticano.

Muitas das gafes da era de Bento 16, de sua palestra em Regensburg em 2006 que enfureceu os muçulmanos aos documentos vazados no escândalo do Vatileaks, são atribuídas pelo campo de Sodano à má gestão de Bertone.

Os documentos vazados publicados em maio no livro “Sua Santidade” documentavam casos de corrupção e brigas dentro dos muros do Vaticano, muitas delas refletindo uma reação interna contra Bertone e sua liderança.

O julgamento em outubro passado do mordomo do papa por vazar os documentos deixou muitas perguntas sobre uma intriga maior no Vaticano sem respostas.

O Vaticano nunca publicou seu próprio inquérito interno sobre o escândalo, que pode ter revelado ao papa uma luta em escala maior do que ele imaginava.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below